Procurador-geral dos EUA pede demissão a Donald Trump

Rod Rosenstein observou em sua carta que o Departamento de Justiça dos EUA "avançou rapidamente na consecução das prioridades da administração pública, preservando a segurança nacional e fortalecendo os esforços federais em outras áreas"; ele sofreu pressão depois de ter decidido nomear o procurador Robert Mueller para investigar as supostas ligações entre russos e os funcionários da campanha de Trump

Procurador-geral dos EUA pede demissão a Donald Trump
Procurador-geral dos EUA pede demissão a Donald Trump (Foto: Reuters)

Sputnik Brasil - O procurador-geral adjunto dos EUA, Rod Rosenstein, apresentou sua carta de renúncia ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na segunda-feira. Ele deixará seu posto em 11 de maio.

Rosenstein observou em sua carta que o Departamento de Justiça dos EUA "avançou rapidamente na consecução das prioridades da administração pública, preservando a segurança nacional e fortalecendo os esforços federais em outras áreas".

"Nossa nação é mais segura, nossas eleições são mais seguras e nossos cidadãos estão mais bem informados sobre os esforços e esquemas de influência estrangeira encobertos para cometer fraudes, roubar propriedade intelectual e lançar ataques cibernéticos", continuou ele. "Ao apresentar minha renúncia em 11 de maio, sou grato a você [Trump] pela oportunidade de servir, pela cortesia e humor que você sempre exibe em nossas conversas pessoais e pelos objetivos que você estabeleceu em seu discurso inaugural: patriotismo, união, segurança, educação e prosperidade, porque existe uma nação para servir seus cidadãos", disse a carta entregue pelo procurador.

"Nós reforçamos a lei sem medo ou favor porque as evidências confiáveis ​​não são partidárias, e a verdade não é determinada pelas pesquisas de opinião… nós mantemos a fé, seguimos as regras e sempre colocamos a América em primeiro lugar", acrescentou.

O procurador-geral dos EUA, William Barr, reagiu à renúncia de Rosenstein, dizendo em um comunicado que a "devoção ao Departamento e seus profissionais é incomparável".

Como o segundo homem mais poderoso do Departamento de Justiça, Rosenstein sofreu pressão depois de ter decidido nomear o procurador especial Robert Mueller para investigar as supostas ligações entre russos e os funcionários da campanha de Trump nas eleições presidenciais de 2016. Rosenstein não fez comentários sobre o procurador especial em sua carta de renúncia.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247