Protestos e greves interrompem voos, param escolas e bloqueiam estradas na França

Protesto realizado por taxistas em todo o país, contra a competição do Uber, coincidiu com uma paralisação de controladores de tráfego aéreo que causou a interrupção dos voos de e para a França, assim como um outro protesto feito por professores que causou a suspensão das aulas; taxistas irritados bloquearam vias ateando fogo a pneus

Protesto de taxistas franceses bloqueia o tráfego em Paris. 26/01/2016 REUTERS/Charles Platiau
Protesto de taxistas franceses bloqueia o tráfego em Paris. 26/01/2016 REUTERS/Charles Platiau (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

PARIS (Reuters) - A tropa de choque da polícia e os bombeiros franceses foram acionados para liberar um movimentado anel rodoviário de Paris em plena hora do rush, nesta terça-feira, após motoristas de táxi irritados com a competição por parte de empresas de transporte em carros particulares, como o Uber, terem bloqueado a via ateando fogo a pneus.

O protesto, realizado por taxistas em todo o país, coincidiu com uma paralisação de controladores de tráfego aéreo que causou a interrupção dos voos de e para a França, assim como um outro protesto feito por professores que causou a suspensão das aulas.

Imagens de TV feitas no início do dia na zona oeste de Paris mostraram vários manifestantes lançando pneus a partir de um viaduto sobre o anel rodoviário de Paris, uma via de quatro faixas de rolagem. Outras pessoas apareceram queimando pneus que bloqueavam as faixas.

A polícia deteve cerca de 20 pessoas, a maioria em decorrência do incidente no oeste de Paris, disse um jornalista da Reuters presente no local.

Em outras cidades, como Toulose, no sudoeste francês, motoristas de táxi disseram que estavam preparados para protestar por vários dias se necessário. Eles combatem o que dizem ser a competição injusta por parte de motoristas que trabalham para serviços de viagens privados.

Uma paralisação de funcionários públicos que trabalham como controladores de tráfego aéreo e pedem por melhores condições de trabalho provocou o cancelamento de um em cada cinco voos, aproximadamente, de acordo com a autoridade de transporte aéreo DGAC.

De modo similar, os professores faltaram ao trabalho a pedido de seus sindicatos, que reivindicam reformas na educação.

(Reportagem de Thierry Chiarello e Marine Pennetier)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247