Putin lança a primeira vacina contra Covid-19 e diz que sua própria filha foi vacinada

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou em 11 de agosto que seu país registrou a primeira vacina contra o coronavírus do mundo

Vladimir Putin
Vladimir Putin (Foto: Kremlin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Rússia anunciou o registro da primeira vacina contra a Covid-19. O ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, disse que a droga mostrou eficácia e segurança. A própria filha do presidente foi vacinada. 

A vacina, criada artificialmente sem nenhum elemento do coronavírus em sua composição, está na forma liofilizada e representa um pó para preparar uma solução administrada por via intravenosa, informa a RT.

Ao anunciar que uma das suas filhas tomou a vacina contra o coronavírus, Vladimir Putin disse que "a vantagem dessa vacina é que ela é baseada em adenovírus humanos. Trabalha com mais precisão, cria uma imunidade forte”. 

Putin especificou que a vacinação da população deve ser realizada exclusivamente de forma voluntária, acrescentando que espera que a produção em massa do medicamento comece em breve.

O ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, afirmou que a vacina será produzida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya e pela empresa Binnofarm.

Nesse contexto, declarou que seus ensaios clínicos continuarão, nos quais participarão milhares de pessoas. “Os desenvolvedores da vacina prepararam os documentos para a realização de futuras investigações clínicas com a participação de vários milhares de pessoas. Para a vigilância rápida do estado de saúde dos vacinados e o controle de eficácia e segurança, o Ministério da Saúde da Rússia cria um contorno digital exclusivo que permite o monitoramento da segurança e qualidade dos medicamentos em todas as fases do ciclo de vida", disse Murashko.
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247