Relatório da ONU diz que provavelmente a Coreia do Norte desenvolveu dispositivos nucleares para mísseis

A Coreia do Norte está indo adiante com seu programa de armas nucleares e diversos países acreditam que o governo local “provavelmente desenvolveu dispositivos nucleares miniaturizados que cabem nas ogivas de seus mísseis balísticos”, segundo um relatório confidencial da ONU

Míssil norte-coreano
Míssil norte-coreano (Foto: KCNA KCNA / Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O relatório de um painel independente de especialistas que monitoram as sanções da ONU diz que os países - que não foram identificados - acreditam que os testes nucleares da Coreia do Norte no passado provavelmente ajudaram o país a desenvolver seus dispositivos em miniatura. O governo de Pyongyang não conduz um teste nuclear desde setembro de 2017. 

O relatório interino, visto pela Reuters, foi submetido ao comitê de sanções à Coreia do Norte do Conselho de Segurança da ONU, composto por 15 membros, nesta segunda-feira.

“A República Democrática Popular da Coreia continua seu programa nuclear, inclusive com a produção de urânio altamente enriquecido e a construção de um reator experimental de água leve. Um país afirmou que a Coreia está seguindo adiante com a produção de armas nucleares”, diz o documento.

A missão norte-coreana para a ONU em Nova York não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre o relatório da ONU.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, disse na semana passada que não haverá mais guerra já que as armas nucleares do país garantem sua segurança apesar das pressões externas ao país.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247