Renuncia assessor de Guaidó que confessou ter assinado contrato para atacar Venezuela

O venezuelano Juan José Rendón, assessor de Juan Guaidó, renunciou ao cargo que ocupava como chefe do Comitê de Estratégia do autoproclamado presidente encarregado da Venezuela

Juan José Rendon
Juan José Rendon (Foto: Russia Today)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Considerado estrategista político de Guaidó, Juan José Rendón reconheceu na semana passada que o documento propunha uma "exploração" para determinar se havia "a possibilidade de capturar e entregar à Justiça" membros do governo.

Rendón reconheceu na semana passada que assinou um contrato e pagou US $ 50.000 à empresa de segurança americana Silvercorp USA, que organizou e realizou uma tentativa de invasão na costa da Venezuela, na manhã de 3 de maio, com o objetivo de sequestrar o presidente Nicolás Maduro, informa Russia Today.

O deputado da oposição Sergio Vergara, que fazia parte do mesmo Comitê de Estratégia, também renunciou. Sia assinatura também apareceu no contrato assinado com a Silvercorp USA.

"Guaidó aceitou a renúncia dos funcionários e agradeceu por sua dedicação e compromisso com a Venezuela", disse um comunicado à imprensa publicado no site do Centro Nacional de Comunicação, que gerencia as informações e a propaganda do autoproclamado presidente.

Na semana passada, após a tentativa de incursão, o partido da Primeira Justiça da oposição exigiu a remoção de Rendón e Vergara, depois de saber de sua participação na manobra.

Em uma declaração, o grupo político que apoia Guaidó pediu especificamente para "demitir imediatamente os funcionários que - em nome da Presidência (e) da República - são vinculados a esses atores de grupos ilegais".

No documento sobre a contratação da empresa norte-americana para realizar o ataque, divulgado publicamente, além das assinaturas de Rendón e Vergara, estão os títulos de Guaidó e Jordan Goudreau, diretor executivo da Silvercorp USA e que, por meio de um vídeo, a tentativa de invadir a Venezuela foi premiada.

O Ministério Público da Venezuela ordenou a prisão de 22 pessoas pela tentativa fracassada de invasão, incluindo o veterano americano Jordan Goudreau. Embora tenha confessado, Goudreau negou qualquer pagamento, observando que o contrato inicial foi avaliado em US $ 211 milhões.

Pesam sobre Rendón, Vergara e Goudreau mandados de prisão, que foram solicitados pelo procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, na última sexta-feira, 8 de maio.

Todos três são acusados ​​de estar envolvidos no "projeto, financiamento e execução" da tentativa de incursão, uma ação que foi chamada de "Operação Gideon".

Além disso, o Ministério Público solicitará a inclusão de Rendón, Vergara e Goudreau no sistema da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), com um alerta vermelho, e solicitará sua extradição para a Venezuela.

Atualmente, na Venezuela, os cidadãos americanos Luke Denman e Airan Berry, contratados pela Silvercorp EUA e que participaram do ataque fracassado, estão detidos.

Ambos confessaram que participaram do treinamento de 60 mercenários em três campos em Riohacha, norte da Colômbia, e que o plano do grupo era dominar os aeroportos para "alcançar objetivos específicos" e "assassinar" o presidente Maduro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247