Representante da Síria em Conselho da ONU renuncia

Danny Al Baaj, do Conselho de Direitos Humanos da Organização, afirmou ter percebido que a violência se agrava no país comandado por Bashar Al Assad e que nada pode fazer para ajudar

Representante da Síria em Conselho da ONU renuncia
Representante da Síria em Conselho da ONU renuncia (Foto: Sana/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi, da Agência Brasil- O primeiro secretário da Síria no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Danny Al Baaj, anunciou nesta segunda-feira 13 sua renúncia. Ele afirmou ter percebido que a violência se agrava no país e que nada pode fazer para ajudar. A decisão de Al Baaj ocorre pouco mais de uma semana depois de o emissário da ONU e da Liga Árabe na Síria, Kofi Annan, também renunciar.

Al Baaj, representante sírio no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, comunicou pessoalmente sua decisão às autoridades sírias em Genebra. "Há algum tempo que estou em contato com um grupo da oposição. A situação piora dia a dia [na Síria]. Sentia que já não podia continuar a servir o meu país no lado do governo", disse ele.

Em seguida, o diplomata acrescentou ainda: "Espero que o Conselho de Direitos Humanos possa tomar novas medidas e fazer seu trabalho para proteger e promover o respeito pelos direitos humanos na Síria."

Al Baaj não disse se pretende pedir asilo político à Suíça. Na semana passada, o então primeiro-ministro da Síria, Riad Hijab, de 48 anos, desertou e fugiu do país. No lugar dele, assumiu o ministro da Saúde, Wael Al Halqi.

A deserção de Hijab foi considerada por especialistas internacionais como sendo a mais expressiva desde que eclodiram os protestos na Síria, em março de 2011. O ex-primeiro-ministro fugiu da Síria rumo à Jordânia com a família e dois oficiais militares.

Na Síria, a onda de violência dura 17 meses e matou mais de 20 mil pessoas, segundo organizações não governamentais. Manifestantes protestam reivindicando a renúncia de Assad, o fim das violações a direitos humanos e mais liberdade.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email