HOME > Mundo

Resolução da ONU exigindo cessar-fogo em Gaza não deve ser desconsiderada por nenhuma das partes, diz editorial do Global Times

Leia na íntegra o editorial do jornal chinês

Reunião do Conselho de Segurança da ONU (Foto: REUTERS/Carlo Allegri)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Editorial do Global Times - Após 171 dias de espera prolongada, o Conselho de Segurança da ONU, em 25 de março, aprovou uma resolução exigindo um cessar-fogo imediato em Gaza durante o Ramadã, com um voto de 14 a favor e uma abstenção. Esta marca a primeira resolução de cessar-fogo aprovada pelo Conselho de Segurança desde a escalada do conflito Palestino-Israelense nesta rodada, e no momento de sua aprovação houve aplausos sustentados na sala, representando a postura da comunidade internacional.

Desde a escalada do conflito Palestino-Israelense em 7 de outubro do ano passado, mais de 32.000 civis inocentes perderam suas vidas, com muitos outros deslocados. O desastre humanitário que se desenrola sob o olhar da comunidade internacional provoca um questionamento cada vez mais urgente da consciência da humanidade a cada dia que passa. A principal razão para o fracasso repetido em aprovar uma resolução de cessar-fogo foi principalmente devido ao veto dos EUA várias vezes, privando a comunidade internacional da força e legitimidade suficientes para instar por um cessar-fogo. Desta vez, os EUA abstiveram-se de votar. Alguns analistas acreditam que isso é os EUA dando um "sinal verde". No entanto, na realidade, o que os EUA fizeram é mais parecido com um "sinal amarelo" - entre um "sinal verde" e um "sinal vermelho", com a atitude de Washington em alcançar um cessar-fogo duradouro ainda ambígua. Isso envia sinais ambíguos para ambos os lados do conflito Palestino-Israelense, particularmente encorajando Israel a desafiar a resolução do Conselho de Segurança.

Após a aprovação da resolução, Linda Thomas-Greenfield, representante dos EUA na ONU, afirmou que o voto do Conselho de Segurança "não é vinculativo". Sua declaração teve como objetivo apaziguar Israel, enquanto também preparava o terreno para os EUA e Israel rejeitarem a resolução, minando os esforços da comunidade internacional por tanto tempo. Isso também expõe que a posição dos EUA sobre a questão Palestino-Israelense não mudou fundamentalmente, falhando em inclinar-se para as forças da paz. No entanto, com demandas crescentes por um cessar-fogo imediato tanto internacionalmente quanto internamente nos EUA, sob imensa pressão pública, os EUA tiveram que fazer um gesto. A aprovação desta resolução pode ser vista como uma vitória para as forças da justiça na comunidade internacional.

As resoluções do Conselho de Segurança da ONU são vinculativas para todos os países, o que é uma disposição clara estabelecida na Carta da ONU. Até a mídia americana acredita que as resoluções do Conselho de Segurança da ONU são direito internacional, então não ficou "imediatamente claro" por que o Representante Permanente dos EUA na ONU "acredita que não é vinculativo". Outros membros do Conselho de Segurança da ONU, incluindo aliados dos EUA, reiteraram que as decisões do conselho são vinculativas e obrigatórias. A ambiguidade dos EUA sobre esta questão fundamental é insustentável e não pode ser explicada.

Se as resoluções formalmente aprovadas pelo Conselho de Segurança da ONU fossem de fato tão não vinculativas quanto alega o embaixador dos EUA, os EUA não precisariam vetá-las repetidamente. Devido à sua postura ambivalente sobre o conflito Palestino-Israelense, os EUA já se encontram em um atoleiro moral e de reputação. Se os EUA ousarem desconsiderar as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e permitirem que Israel faça o mesmo, inevitavelmente se tornarão alvo de críticas. Esperamos que países influentes desempenhem um papel ativo na solução da situação, incluindo o emprego de todos os meios eficazes para apoiar a implementação das resoluções. Entre esses países influentes, os EUA deveriam tomar a liderança.

Cada dia, há derramamento de sangue em Gaza. Quanto mais cedo o cessar-fogo, mais cedo o sangramento pode parar. A resolução pede um cessar-fogo durante o Ramadã, e agora metade do Ramadã já passou, causando grande ansiedade na comunidade internacional. Zhang Jun, Representante Permanente da China na ONU, afirmou que, se implementada de forma plena e eficaz, a resolução ainda poderia "trazer a esperança tão esperada". O Representante Permanente do Estado da Palestina na ONU declarou que isso deve ser um "ponto de virada". O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, afirmou: "Esta resolução deve ser implementada. O fracasso seria imperdoável." Essas declarações não apenas expressam a atitude em relação à resolução, mas também aumentam o peso de sua implementação.

Um cessar-fogo durante o Ramadã é apenas o primeiro passo na resolução do conflito Palestino-Israelense. Após isso, é imperativo construir sobre esta base em direção a um cessar-fogo duradouro e, finalmente, retornar à "solução de dois Estados", que é o único caminho para resolver o conflito Palestino-Israelense. Os esforços da comunidade internacional não podem ser minados, e os EUA não devem se abster repetidamente de votar. Eles têm a capacidade e, mais importante, a obrigação de direcionar as partes envolvidas de volta ao caminho alinhado com a comunidade internacional. O principal ganho para a comunidade internacional, com a aprovação desta resolução, reside na confiança, pois a justiça, em última análise, prevalecerá.

A passagem desta resolução pelo Conselho de Segurança da ONU representa um momento crucial na busca por paz e justiça. Com a crescente pressão internacional e doméstica por ação, é crucial que todos os países, especialmente os influentes como os EUA, comprometam-se com a implementação eficaz das resoluções da ONU. Ignorar tais resoluções não apenas desafia a ordem mundial baseada em regras, mas também prolonga o sofrimento e o derramamento de sangue. À medida que a comunidade internacional avança, é fundamental que o foco permaneça na promoção da paz, na proteção dos inocentes e na busca de uma solução duradoura para o conflito Palestino-Israelense.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: