Rússia avisa que "nunca aceitará mudança de regime na Venezuela promovida pelos Estados Unidos"

"Não podemos aceitar essa abordagem por razões fundamentais, porque essa é uma continuação da política de mudança de regime que observamos dos americanos nas últimas décadas", disse o vice--ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov

(Foto: © Sputnik / Aleksei Nikolsky)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – A Rússia nunca aceitará o argumento de Washington sobre uma mudança de poder na Venezuela e a renúncia do presidente Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira (9) o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov.

"O problema é que os Estados Unidos estão colocando a principal prioridade em sua política sobre a Venezuela na demanda por uma mudança no governo legítimo liderado pelo presidente Nicolás Maduro. Não podemos aceitar essa abordagem por razões fundamentais, porque essa é uma continuação da política de mudança de regime que observamos dos americanos nas últimas décadas", disse Ryabkov durante videoconferência sobre as relações entre EUA e Rússia realizada pelo Conselho de Relações Exteriores.

A situação política na Venezuela piorou em janeiro passado, depois que o líder da oposição Juan Guaidó se proclamou presidente interino. Vários países, incluindo os Estados Unidos, o endossaram como líder da Venezuela e instaram o presidente em exercício, Nicolás Maduro, a renunciar.

Os Estados Unidos também aplicaram diversas sanções contra  autoridades e entidades venezuelanas, bloqueando US$ 7 bilhões em ativos pertencentes à empresa nacional de petróleo e gás da Venezuela, PDVSA, e suas subsidiárias.

Maduro, cuja presidência é apoiada pela Rússia e China, entre outros Estados, denunciou as sanções como uma tentativa ilegal de apreender os bens soberanos do país. Maduro chama Guaidó de fantoche de Washington.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247