'Se tivéssemos agido como o Brasil, teríamos mais mortes', afirma Trump

"Salvamos, possivelmente, 2 milhões, 2,5 milhões de vidas. Se considerarmos que estamos em 105 mil hoje em dia, o número de vítimas seria pelo menos 10 vezes maior", disse o presidente dos EUA

(Foto: REUTERS/Carlos Barria)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta sexta-feira (5) que o país salvou ao menos 1 milhão de vidas na pandemia do novo coronavírus e apontou que, em outro cenário evitado por Washington, o Brasil está em um "momento bem difícil".

Falando aos jornalistas na Casa Branca, Trump ressaltou que vidas foram salvas graças ao fechamento dos EUA, indicando em seguida que o número de mortos – hoje acima dos 108 mil óbitos – poderia ter sido pelo menos 10 vezes maior.

"Fechamos nosso país. Salvamos, possivelmente, 2 milhões, 2,5 milhões de vidas. Poderia ser só um milhão de vidas, acho que não menos que isso. Mas se considerarmos que estamos em 105 mil hoje em dia, o número de vítimas seria pelo menos 10 vezes maior. É o que se acredita como mínimo se fizéssemos [imunidade de] rebanho", disse.

Em seguida, o presidente dos EUA indicou que, caso tivesse seguido o caminho do governo brasileiro, liderado pelo seu aliado Jair Bolsonaro, ou aquele adotado pela Suécia (que não adotou o distanciamento social), o número de mortes em solo estadunidense poderia ser muito maior.

"Se você olha para o Brasil, eles estão num momento bem difícil. E, falando nisso, continuam falando da Suécia. Voltou a assombrar a Suécia. A Suécia também está passando por dificuldades terríveis. Se tivéssemos agido assim, teríamos perdido 1 milhão, 1,5 milhão, talvez 2,5 milhões ou até mais", acrescentou.

Já devidamente informado em janeiro pelos seus serviços de inteligência, Trump menosprezou o grau de impacto do novo coronavírus. Contudo, após a doença desembarcar no país pela Costa Oeste, ela se alastrou pelos demais estados, sobretudo em Nova York, com acelerações entre março e abril.

Trump também insistiu em tratamentos controversos – ora o uso da hidroxicloroquina, ou até a ingestão de desinfetante – para lidar com a COVID-19. A eleição de novembro deste ano, porém, fez com que o presidente recuasse, ainda que tendo embates com governadores que não aceitaram flexibilizar o distanciamento social com maior velocidade.

Os EUA lideram o total de infectados e mortos pelo novo coronavírus no mundo. Contudo, a curva de contágio está em desaceleração, ao contrário do Brasil, que vem tendo a maior taxa de infecções a cada 24 horas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), e ainda assim vai tendo medidas de reabertura do comércio.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email