Situação no Brasil e região sul-americana é 'profundamente preocupante', alerta OMS

O Brasil e a América do Sul se tornaram o epicentro da pandemia do coronavírus, despertando alarme em todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde faz um apelo aos governos da região: "encontrem o vírus"

Enfermeira atende paciente da Covid-19 em hospital municipal em São Paulo
Enfermeira atende paciente da Covid-19 em hospital municipal em São Paulo (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil é hoje o terceiro país com maior número de mortes e segundo em termos de casos. Considerando apenas os últimos sete dias, o Brasil lidera no mundo, segundo os dados da própria OMS.

A agência de saúde da ONU confirma que os "principais motores do mundo são os países da América do Sul, Central e do Norte, em especial os EUA" e alerta que só haverá um controle da doença se governos conseguirem saber onde está o vírus. Para isso, porém, testes serão necessários. No caso brasileiro, o número de testes é considerado como baixo, informa o jornalista Jamil Chade.

A OMS recomenda testar. Outra recomendação da entidade é para que governos estabeleçam "parcerias com suas sociedades". "Os países que tiveram êxito foram aqueles que estipularam parcerias com a população", indicou Margaret Harris, porta-voz da entidade - relata Jamil Chade. 

Para a representante da OMS, o fato de países que viveram um intenso surto nas últimas semanas terem hoje um número baixo de casos revela que a estratégia descrita pela entidade dá resultados. "Sabemos o que funciona. Temos países que tiveram surto e hoje não têm casos", apontou.

Segundo ela, "quando se rompe a cadeia de transmissão, é aí que o surto começa a cair". Para isso, porém, governos precisam ampliar os testes.

Um sinal da crise brasileira foi demonstrado indiretamente numa reunião fechada entre a OMS e governos, na quinta-feira. O país escolhido na América do Sul para mostrar o que tem feito para lidar com a pandemia não foi o Brasil. Mas a Argentina, que fez uma ampla apresentação de suas medidas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247