Soldados da Síria matam 4 pessoas, dizem ativistas

O grupo sediado em Londres Observatrio Srio pelos Direitos Humanos que os ataques ocorreram nesta sexta-feira, na provncia central de Hama, deixando pelo menos quatro mortos e 11 feridos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As forças de segurança da Síria abriram fogo contra manifestantes que foram às ruas após as preces desta sexta-feira horas após soldados matarem pelo menos quatro pessoas em incursões pela província de Hama, segundo ativistas. Os ativistas disseram que não havia notícias sobre mortes de manifestantes após as orações. A oposição síria condenou os protestos desta sexta-feira, prometendo "continuar até a deposição do regime".

O grupo sediado em Londres Observatório Sírio pelos Direitos Humanos afirmou que muitos disparos foram ouvidos no entorno da mesquita Rawda, na cidade de Deir el-Zour, leste sírio. Segundo a entidade, as forças de segurança abriram fogo perto de uma mesquita em Daraya, subúrbio de Damasco.

O ativista Mustafa Osso, que vive na Síria, disse que milhares de pessoas foram às ruas em cidades de maioria curda do nordeste do país, como Qamishli, Amouda, e Derbasiyeh.

O observatório afirmou que os ataques ocorreram mais cedo nesta sexta-feira, na província central de Hama, deixando pelo menos quatro pessoas mortas e 11 feridas. A TV estatal afirmou que um policial foi morto e quatro ficaram feridos na sexta-feira, quando eles foram atacados na vila de Busra Hariri, na província de Deraa, onde os protestos começaram há seis meses.

Um levante popular começou na Síria em meados de março, em meio a uma onda de protestos contra o governo no mundo árabe que já derrubou autocratas na Tunísia, no Egito e na Líbia. O presidente Bashar Assad reagiu com uma repressão violenta, que já deixou 2.600 mortos segundo as Nações Unidas. A Síria diz que o regime enfrenta terroristas e baderneiros, não reformistas. Na segunda-feira, um alto assessor do presidente, Buthaina Shaaban, disse que o número de mortos era de 1.400, sendo a metade das forças de segurança e a outra metade da oposição.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247