STF nega pedido de ex-presidente do Peru para acessar delação da Odebrecht

O ministro Edson Fachin negou pedido apresentado pela defesa do ex-presidente do Peru Ollanta Humala e da ex-primeira dama daquele país Nadine Heredia para ter acesso a depoimentos e outras informações das delações premiadas do empresário Marcelo Odebrecht; defesa do ex-presidente e da ex-primeira-dama alegavam que os clientes estão sendo investigados pela Justiça peruana - encontrando-se no momento presos cautelarmente - sob a acusação de terem recebido recursos da Odebrecht destinados a bancar a campanha de Humala à Presidência do Peru no ano de 2011

O ministro Edson Fachin negou pedido apresentado pela defesa do ex-presidente do Peru Ollanta Humala e da ex-primeira dama daquele país Nadine Heredia para ter acesso a depoimentos e outras informações das delações premiadas do empresário Marcelo Odebrecht; defesa do ex-presidente e da ex-primeira-dama alegavam que os clientes estão sendo investigados pela Justiça peruana - encontrando-se no momento presos cautelarmente - sob a acusação de terem recebido recursos da Odebrecht destinados a bancar a campanha de Humala à Presidência do Peru no ano de 2011
O ministro Edson Fachin negou pedido apresentado pela defesa do ex-presidente do Peru Ollanta Humala e da ex-primeira dama daquele país Nadine Heredia para ter acesso a depoimentos e outras informações das delações premiadas do empresário Marcelo Odebrecht; defesa do ex-presidente e da ex-primeira-dama alegavam que os clientes estão sendo investigados pela Justiça peruana - encontrando-se no momento presos cautelarmente - sob a acusação de terem recebido recursos da Odebrecht destinados a bancar a campanha de Humala à Presidência do Peru no ano de 2011 (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido apresentado pela defesa do ex-presidente do Peru Ollanta Humala e da ex-primeira dama daquele país Nadine Heredia para ter acesso a depoimentos e outras informações das delações premiadas do empresário Marcelo Odebrecht e dos outros executivos do grupo Luiz Antonio Mameri e Jorge Henrique Simões Batista e também do publicitário brasileiro Valdemir Garreta.

Os advogados do ex-presidente e da ex-primeira-dama alegavam que os clientes estão sendo investigados pela Justiça peruana - encontrando-se no momento presos cautelarmente - sob a acusação de terem recebido recursos da Odebrecht destinados a bancar a campanha de Humala à Presidência do Peru no ano de 2011, conforme relato dos executivos da empresa no âmbito da colaboração premiada.

A defesa dos dois pretendia ter acesso a todas as informações prestadas pelos delatores e quaisquer outros depoimentos, documentos e dados que estejam sendo compartilhados pelo Ministério Público Federal brasileiro com autoridades peruanas, inclusive o Ministério Público do Peru. Pediam direito à extração de cópias.

Em sua decisão, Fachin afirmou que Humala e a mulher perseguem a produção de provas para subsidiar a defesa deles em investigação realizada no Peru.“Assim, não cabe ao Poder Judiciário brasileiro, diretamente, a tutela da regularidade de tal procedimento”, disse.

O ministro do STF destacou que ainda haveria a possibilidade de cooperação jurídica internacional no caso, mas que essa desafiaria os pressupostos das relações diplomáticas entre os países.

“Até porque inexiste nestes autos demonstração segura dos lindes da apuração e da pertinência que, em tese, poderia legitimar o fornecimento de material submetido a sigilo judicial. Não é o caso, portanto, de, diretamente, apreciar o pleito do investigado e propiciar a exibição de tais elementos, revelando-se a necessidade de atendimento ao procedimento próprio da cooperação jurídica internacional”, afirmou.

Fachin destacou que cabe às autoridades peruanas a avaliação da pertinência de exibir determinados elementos da investigação, o que não pode ser feito, neste momento, pela via almejada pela defesa dos dois.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247