Terremotos no Irã matam 180 pessoas

O primeiro tremor no noroeste do país atingiu 6.2 de magnitude; 11 minutos depois, um novo abalo alcançou 6.2

Terremotos no Irã matam 180 pessoas
Terremotos no Irã matam 180 pessoas (Foto: Reprodução/G1)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

DUBAI, 11 Ago (Reuters) - Dois fortes terremotos atingiram o noroeste do Irã neste sábado, matando 180 pessoas e ferindo mais de 1.300, com equipes de resgate vasculhando freneticamente no meio dos escombros de dezenas de vilas.

Milhares deixaram suas casas e permanecem nas ruas após cerca de 20 tremores subsequentes atingirem a área.

Os números ainda podem aumentar, alertaram as autoridades iranianas, já que alguns dos feridos estão em estado grave e outros ainda estão presos sob os escombros e os resgates ainda não chegaram a algumas vilas. Cerca de 60 aldeias tinham mais de 50 por cento de danos, disse a mídia iraniana.

O Irã está localizado em uma área com diversas falhas geográficas e já sofreu terremotos devastadores nos últimos anos, incluindo um de magnitude 6.6 em 2003 que atingiu a cidade histórica de Bam e matou mais de 25 mil pessoas.

O centro de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos indicou que o primeiro terremoto foi de magnitude 6.4, a 60 quilômetros da cidade de Tabriz e a 9,9 quilômetros de profundidade.

O segundo terremoto foi de magnitude 6.3 a 49 quilômetros da mesma cidade em uma profundidade similar, e apenas 11 minutos após o primeiro.

O oficial da província, Khalil Sa'ie, disse que 180 morreram e cerca de 1.300 ficaram feridas, informou a agência de notícias semi-oficial Fars.

O segundo terremoto ocorreu próximo a cidade de Varzaghan. "O tremor foi tão intenso que as pessoas correram para as ruas em meio ao medo", disse a agência de notícias Fars.

Em torno de 210 pessoas em Varzaghan e Ahar foram resgatadas de escombros, informou a agência de notícias oficial IRNA.

Tabriz é uma importante cidade e centro comercial longe das regiões produtoras de petróleo do Irã e das instalações nucleares.

(Por Andrew Torchia)

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email