The Guardian republica editorial de 1944, alusão ao que ameaça a Europa

O jornal The Guardian reproduziu em sua edição desta quarta-feira (12) o editorial publicado no Natal de 1944, "última época em que o nacionalismo dominou a Europa"; sinal dos tempos, o jornal chama a atenção com esse simbolismo, para o espectro que ronda o velho Continente nos dias atuais

The Guardian republica editorial de 1944, alusão ao que ameaça a Europa
The Guardian republica editorial de 1944, alusão ao que ameaça a Europa

247 - O jornal The Guardian reproduziu em sua edição desta quarta-feira (12) o editorial publicado no Natal de 1944, "última época em que o nacionalismo dominou a Europa"; sinal dos tempos, o jornal chama a atenção com esse simbolismo, para o espectro que ronda o velho Continente nos dias atuais.

Abaixo trechos do editorial.

"Este fim de semana o Natal será comemorado de alguma forma em toda a Europa - tanto em Berlim quanto em Londres, nas caves e adegas de Colônia, assim como em Manchester", diz o Editorial. "É um símbolo, talvez uma relíquia, daquela unidade do mundo ocidental que tanto o cristianismo promoveu e que nós neste século tanto fizemos para destruir. Mas o cristianismo não foi a única força criativa, nem as grandes guerras são a única causa da decadência. Nossa civilização também repousa, como o bispo de Chichester assinalou esta semana, sobre as grandes tradições do humanismo, da ciência e da lei. E ele poderia ter acrescentado a herança comum das artes - que brotam do velho encanto da Grécia antiga, onde as Nove Musas nasceram 'em cabanas de pastores” na encosta íngreme' ”.

E prosseguia on editorial do The Guardian de dezembro de 1944: "Essas coisas não são ameaçadas apenas pela guerra, mas por aquela nova religião, da qual o fascismo é apenas uma expressão e o materialismo outro, que nega seu valor. Para a maior parte da Europa, este não será um feliz Natal. Os cidadãos de Varsóvia e Budapeste, de Amsterdã e Atenas, terão pouco coração para isso. Mesmo os países liberados, que têm pelo menos a alegria da liberdade, são perturbados pelo frio e pela fome, pelas lutas políticas, pela separação das famílias e pelo medo do futuro. E nós, nestas ilhas também, suficientemente confortáveis em nossos lares, devemos nos sentar sob a sombra da ofensiva alemã que parece ter sido programada de modo a destruir até mesmo a breve ilusão de bom ânimo que de outra forma poderia nos ter tentado. Temos, no entanto, um consolo: este, o sexto Natal da guerra, certamente será o último".

O editorial concluía: Ainda há tempo para persuadir os estadistas da Europa de que a paz não pode ser garantida por novas fronteiras estratégicas, movimentando milhões de pessoas de um lado para o outro no continente, levando o povo alemão à anarquia e ao desespero. Certamente, devemos estar preparados para fazer valer a paz pelas armas, mas devemos também começar imediatamente a restaurar a prosperidade econômica e a unidade espiritual da Europa. Certamente devemos temer e desconfiar dos alemães, talvez por cem anos ou mais, mas essa obsessão não deve nos cegar para outros perigos e outros males. Os alemães não inventaram a guerra, mas apenas a aperfeiçoaram. A Rússia e a França deveriam ser advertidas agora que o isolamento americano, a desilusão britânica e a anarquia alemã seriam um preço muito alto a pagar, mesmo pela segurança. Nosso objetivo não deve ser meramente a paz, a ausência de guerra, que, como saúde ou felicidade, é uma mera negação, mas a reconstrução da civilização ocidental. E para isso precisamos primeiro ter uma nova Europa, democrática, próspera, progressista, unida, se não apenas pelo cristianismo, pelas tradições comuns do humanismo, da ciência e da lei".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247