Mundo

Tribunal condena ex-ministro de Israel por corrupção

Depois de mais de dois anos de julgamento, um tribunal distrital de Telavive condenou o ex-primeiro-ministro israelita Ehud Olmert em um processo por corrupção ligado a um escândalo imobiliário em Jerusalém

JERUSALEM, ISRAEL - JUNE 28: Israeli Prime Minister Ehud Olmert looks on during an awarding ceremony fo arts, science and culture at his office on June 28, 2006 in Jerusalem, Israel. Early Wednesday Israel sent in troops and tanks into the southern Gaza (Foto: Gisele Federicce)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Da Lusa

Telavive (Israel) - Um tribunal distrital de Telavive condenou, hoje (31), o ex-primeiro-ministro israelita, Ehud Olmert, em um processo por corrupção ligado a um escândalo imobiliário em Jerusalém, informou a mídia local.

Depois de mais de dois anos de julgamento, quando foram ouvidas 103 testemunhas e 13 acusados no caso de corrupção mais grave e complexo da história de Israel, o juiz David Rozen declarou o ex-primeiro-ministro culpado de suborno, crime cometido quando exerceu o cargo de presidente da Câmara de Jerusalém (1993-2003) e, mais tarde, de ministro da Indústria e Comércio.

A data de divulgação da pena não foi ainda fixada, mas a sentença do tribunal deverá ter, segundo avançam os analistas políticos locais, uma consequência sem precedentes na história de Israel: a prisão de um ex-chefe do Governo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O polêmico processo está relacionado com o megacomplexo residencial Holyland, um ambicioso e multimilionário projeto, no sul de Jerusalém, que terá, alegadamente, sido construído à custa de regalias e luvas dadas pelos promotores a responsáveis municipais, banqueiros e altos funcionários, em uma época em que o presidente da Câmara de Jerusalém era Olmert e, posteriormente, Uri Lupolianski.

Este caso, que, nos últimos anos, tem sido lembrado em todas as tentativas de o ex-primeiro-ministro regressar à política, sofreu um rumo inesperado na semana passada.

Shula Zaken, que exerceu o cargo de secretária pessoal de Olmert nos anos 90 e é uma das acusadas no processo, decidiu acusar o antigo chefe em troca de um acordo com o Ministério Público, o qual lhe garantiu apenas 11 meses de cadeia.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Com o acordo, Zaken decidiu entregar gravações que fez às escondidas e que, alegadamente, implicam Olmert no caso de corrupção. O antigo líder do partido Kadima – de centro - ganhou as eleições em 2006, mas foi forçado a demitir-se em 2009 diante de acusações de corrupção em vários casos.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO