Tribunal Penal Internacional decide processar Netanyahu por crimes de guerra contra os palestinos, mas Israel resiste

Netanyahu, no entanto, apontou que o estado judeu não faz parte do Estatuto de Roma e não estaria sujeito às penalidades

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (Foto: REUTERS/Ammar Awad)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – Nesta sexta-feira (5), o tribunal internacional declarou que a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza estão sob sua jurisdição.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou o Tribunal Penal Internacional (TPI) de ser "um órgão político e não uma instituição judicial" por dar luz verde à investigação de alegados crimes cometidos em territórios palestinos pelas forças israelenses. As últimas utilizariam como justificação de suas ações as operações antiterroristas contra o grupo Hamas.

Nesta sexta-feira (5), o tribunal internacional proclamou sua jurisdição sobre os territórios da Cisjordânia, Jerusalém e da Faixa de Gaza, ocupados por Israel desde 1967.

Netanyahu, no entanto, apontou que o estado judeu não faz parte do Estatuto de Roma, a base fundadora da instituição judicial que critica, e acusou o TPI de subverter o direito de países democráticos se autodefenderem contra o terrorismo, assim como de promover a causa "dos que sabotam os esforços para a extensão do círculo da paz".

"O TPI se recusa a investigar ditaduras brutais como o Irã e a Síria, que cometem atrocidades horríveis quase diariamente", declarou o primeiro-ministro israelense. 

Netanyahu classifica a decisão do TPI como "puro anti-semitismo", iniciando um argumento que provavelmente afetará muitos israelenses que acreditam que as críticas, especialmente vindas da Europa, às políticas israelenses em relação aos à Palestina têm suas raízes no sentimento anti-judaico, segundo a agência Reuters.

A decisão do TPI remove um obstáculo legal importante que impedia uma investigação completa dos supostos crimes de guerra cometidos em Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email