Trump chama Fidel de ditador e afirma que Cuba será libertada

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a morte do líder cubano, chamando Fidel Castro de "um ditador brutal que oprimiu seu próprio povo por quase seis décadas"; “O legado de Fidel Castro é de pelotões de fuzilamento, roubo, sofrimento inimaginável, pobreza e negação de direitos humanos fundamentais”, afirmou Trump, em comunicado; na campanha presidencial, Trump ameaçou reverter as ações do presidente Barack Obama de abertura de relações com Cuba; o vice-presidente eleito, Mike Pence, escreveu no Twitter: "O tirano Castro está morto"

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a morte do líder cubano, chamando Fidel Castro de "um ditador brutal que oprimiu seu próprio povo por quase seis décadas"; “O legado de Fidel Castro é de pelotões de fuzilamento, roubo, sofrimento inimaginável, pobreza e negação de direitos humanos fundamentais”, afirmou Trump, em comunicado; na campanha presidencial, Trump ameaçou reverter as ações do presidente Barack Obama de abertura de relações com Cuba; o vice-presidente eleito, Mike Pence, escreveu no Twitter: "O tirano Castro está morto"
O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a morte do líder cubano, chamando Fidel Castro de "um ditador brutal que oprimiu seu próprio povo por quase seis décadas"; “O legado de Fidel Castro é de pelotões de fuzilamento, roubo, sofrimento inimaginável, pobreza e negação de direitos humanos fundamentais”, afirmou Trump, em comunicado; na campanha presidencial, Trump ameaçou reverter as ações do presidente Barack Obama de abertura de relações com Cuba; o vice-presidente eleito, Mike Pence, escreveu no Twitter: "O tirano Castro está morto" (Foto: José Barbacena)

247 - O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a morte do líder cubano Fidel Castro. O empresário chamou Fidel de "um ditador brutal que oprimiu seu próprio povo por quase seis décadas".

“O legado de Fidel Castro é de pelotões de fuzilamento, roubo, sofrimento inimaginável, pobreza e negação de direitos humanos fundamentais”, afirmou Trump, em comunicado. “Enquanto Cuba continua sendo uma ilha totalitária, é minha esperança que hoje marque um afastamento dos horrores suportados por muito tempo, para um futuro em que o maravilhoso povo cubano possa finalmente viver em liberdade”.

Trump, que assume a Presidência dos EUA em 20 de janeiro, ameaçou durante sua campanha reverter as ações do presidente Barack Obama de abertura de relações com Cuba.

O vice-presidente eleito Mike Pence foi no mesmo embalo de Trump, dizendo que uma "nova esperança nasce" para Cuba depois da morte de Fidel Castro.

"O tirano Castro está morto. Nova esperança nasce. Apoiamos o oprimido povo cubano que busca uma Cuba livre e democrática. Viva Cuba Libre", escreveu Pence no Twitter.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247