Trump chama jogadoras de “maníacas esquerdistas” por protestar contra racismo nas Olimpíadas

"Se nosso time de futebol, liderado por um grupo radical de maníacas de esquerda, não estivesse 'woke', teria ganhado a medalha de ouro em vez do bronze", disse Trump

Donald Trump
Donald Trump (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou as jogadoras da seleção feminina de futebol do seu país de “maníacas esquerdistas”, após a equipe não trazer a medalha de ouro na Olimpíada.

A declaração foi feita após o time ganhar por 4 x 3 da Austrália, nesta quinta-feira (5), faturando a medalha de bronze nos Jogos de Tóquio-2020. Algumas das atletas foram críticas ferrenhas do governo Trump.

O ex-presidente culpou as jogadoras por se ajoelharem em meio ao hino nacional dos Estados Unidos, em um ato de protesto contra o racismo repetido por atletas em diversas seleções de várias modalidades. Em suas palavras, ele fez referência ao termo “Woke”, que faz alusão ao movimento antirracista nos EUA.

PUBLICIDADE

"Se nosso time de futebol, liderado por um grupo radical de maníacas de esquerda, não estivesse 'woke', teria ganhado a medalha de ouro em vez do bronze. 'Woke' significa que você perde. Tudo que é 'woke' está indo mal, e nosso time de futebol certamente se saiu mal", disse Trump.

Embora ele tenha feito a ressalva de que há jogadoras “patrióticas” no elenco da seleção feminina, reclamou que é necessário que mais atletas “respeitem nosso país e nosso hino nacional”, disse.

PUBLICIDADE

Trump ainda mencionou uma jogadora em específico, a estrela e líder do time, Megan Rapinoe. Segundo ele, ganhar o ouro novamente depende exclusivamente de jogadoras com maior patriotismo e menos “wokesters”, referindo-se novamente ao movimento antirracista.

“A mulher de cabelos roxos (Rapinoe) jogou terrivelmente. Passa muito tempo pensando em política de esquerda radical em vez de fazer seu trabalho", disse Trump sobre a atleta.

PUBLICIDADE

Ativista feminista, na linha de frente da luta pelos direitos LGBTQIA+ desde seu surgimento em 2012, Rapinoe, capitã da seleção americana feminina de futebol, é uma crítica declarada de Donald Trump.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email