Trump é indicado ao prêmio Nobel da Paz

Conhecido por declarações e conduta que atentam contra os direitos humanos, Donald Trump foi indicado ao Prêmio de Nobel da Paz. A indicação foi feita pelo parlamentar norueguês Christian Tybring-Gjedde, que, assim como o presidente americano, é contra a imigração

Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump (Foto: REUTERS/Jonathan Ernst)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Conhecido por declarações e conduta que atentam contra os direitos humanos, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi indicado ao Prêmio de Nobel da Paz. De acordo com reportagem do canal de notícias americano Fox News, a indicação de Trump foi feita pelo parlamentar norueguês Christian Tybring-Gjedde, que também atua como presidente da delegação norueguesa na Assembleia Parlamentar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). 

Tybring-Gjedde disse não ser um apoiador do presidente americano, apesar de tê-lo indicado anteriormente ao prêmio de 2018. Mas, assim como Trump, o parlamentar norueguês é ferozmente contra a imigração e uma vez comparou o hijab, vestuário usado por islâmicos, a roupas usadas pelos nazistas e pela Ku Klux Klan. 

O norueguês justificou o seu posicionamento favorável à indicação de Trump ao Nobel da Paz por causa de "mediação" dos Estados Unidos no acordo entre Emirados Árabes e Israel. "Por seu mérito, acho que ele fez mais tentando criar a paz entre as nações do que a maioria dos outros indicados ao Prêmio da Paz”, disse Tybring-Gjedde. Seu relato foi publicado no jornal O Estado de S.Paulo

Em agosto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que o acordo implica a adesão a um pedido feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de "esperar temporariamente" para implementar a promessa do líder israelense de anexar partes da Cisjordânia ocupada

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247