Trump estimulou por semanas manifestantes que invadiram o Capitólio

Enquanto a extrema-direita se organizava em plataformas nas redes, Donald Trump fazia campanha do ato do dia 6 em seus perfis nas redes sociais

Donald Trump
Donald Trump (Foto: Carlos Barria/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os manifestantes que invadiram o Capitólio, sede do Legislativo dos Estados Unidos, na quarta-feira, 6, foram convocados pelo presidente do país, Donald Trump, (Republicano), durante mais de duas semanas.

Os apoiadores de Trump impediram temporariamente a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden (Democrata), o que ocorreu quando acabaram as convulsões. Os trumpistas alegam que teria ocorrido uma fraude contra Trump nas eleições norte-americanas de 2020.

“Grande protesto em D.C. (Washington) em 6 de janeiro”, Trump postou no Twitter em 19 de dezembro. “Compareçam. Será uma loucura!”, continuou.

Nas redes sociais, os trumpistas não buscaram esconder seu real objetivo: invadir o Capitólio. Apoiadores do presidente norte-americana postavam que iriam “ocupar o Capitólio” e fotos de armas de fogo (no ato do dia 6, foram apreendidas 5), deixando claro o intuito.

Após perder a eleição em novembro deste ano, o primeiro grupo “Stop the Steal” (pare o roubo) foi formado no Facebook e chegou a ter 320 mil seguidores, até ser fechado pela plataforma. Depois deste, surgiram vários - todos fechados pelo Facebook, motivo pelo qual a extrema-direita norte-americana tem migrado para plataformas como Parler e Gab.

Enquanto isso, Trump continuou a estimular o ato. “Vejo vocês em Washington no dia 6 de janeiro. Não percam. Mais informações a seguir”, publicou no dia 27 de dezembro.

30 de dezembro: “6 DE JANEIRO, VEJO VOCÊS EM WASHINGTON”.

1º de janeiro: “O GRANDE protesto em Washington terá lugar às 11h do dia 6 de janeiro. Informações sobre local a seguir. StopTheSteal!”

Em 2 de janeiro, senadores republicanos se aliaram com mais de cem deputados republicanos, prometendo apresentar uma objeção à certificação da eleição de Biden.

Nas plataformas alternativas, grupos de extrema-direita passaram a se reunir para organizar o ato. Já no Facebook, foram compartilhados os endereços de juízes federais, parlamentares e progressistas conhecidos.

No dia 6, Trump e seus apoiadores declararam guerra aos parlamentares e invadiram a sede do Legislativo norte-americano, confrontando-se com forças de segurança.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email