Uber pagou a hackers para encobrir roubo de dados

Uber Technologies pagou US$ 100 mil para hackers manterem em segredo uma  invasão ocorrida no ano passado que expôs informações pessoais de cerca de 57 milhões de contas; revelação do acobertamento do incidente na empresa norte-americana resultou na demissão de dois funcionários responsáveis por sua reação à invasão; informações roubadas incluíam nomes, endereços de e-mail e números de celular de usuários do Uber de todo o mundo, além dos nomes e números de carteiras de motorista de cerca de 600 mil motoristas norte-americanos

Uber Technologies pagou US$ 100 mil para hackers manterem em segredo uma  invasão ocorrida no ano passado que expôs informações pessoais de cerca de 57 milhões de contas; revelação do acobertamento do incidente na empresa norte-americana resultou na demissão de dois funcionários responsáveis por sua reação à invasão; informações roubadas incluíam nomes, endereços de e-mail e números de celular de usuários do Uber de todo o mundo, além dos nomes e números de carteiras de motorista de cerca de 600 mil motoristas norte-americanos
Uber Technologies pagou US$ 100 mil para hackers manterem em segredo uma  invasão ocorrida no ano passado que expôs informações pessoais de cerca de 57 milhões de contas; revelação do acobertamento do incidente na empresa norte-americana resultou na demissão de dois funcionários responsáveis por sua reação à invasão; informações roubadas incluíam nomes, endereços de e-mail e números de celular de usuários do Uber de todo o mundo, além dos nomes e números de carteiras de motorista de cerca de 600 mil motoristas norte-americanos (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O Uber Technologies pagou 100 mil dólares para hackers manterem em segredo uma grande invasão ocorrida no ano passado que expôs informações pessoais de cerca de 57 milhões de contas, informou a empresa na terça-feira.

A revelação do acobertamento do incidente na empresa norte-americana resultou na demissão de dois funcionários responsáveis por sua reação à invasão, disse Dara Khosrowshahi, que substituiu o cofundador Travis Kalanick como presidente-executivo em agosto.

"Nada disto deveria ter acontecido e não inventarei desculpas", disse Khosrowshahi em uma postagem em um blog.

A invasão aconteceu em outubro de 2016, mas Khosrowshahi disse só ter tomado conhecimento dela recentemente.

Trata-se de mais uma polêmica envolvendo a Uber na sequência de alegações de assédio sexual, um processo por suposto roubo de segredos comerciais e vários inquéritos criminais federais que culminaram na saída de Kalanick em junho.

As informações roubadas incluíam nomes, endereços de email e números de celular de usuários do Uber de todo o mundo, além dos nomes e números de carteiras de motorista de cerca de 600 mil motoristas norte-americanos, segundo Khosrowshahi.

Os passageiros do Uber não precisam se preocupar porque não houve indícios de fraude, e os motoristas cujos números de placas foram roubados receberão proteção gratuita contra roubo de identidade e monitoramento de crédito, disse a Uber.

Dois hackers tiveram acesso a informações particulares armazenadas no GitHub, um serviço que permite que engenheiros colaborem em códigos de software. Ali os dois roubaram credenciais do Uber para um provedor de serviços de nuvem separado, onde conseguiram baixar dados de motoristas e passageiros, informou a empresa.

Uma porta-voz do GitHub disse que a invasão não resultou de uma falha na segurança de sua companhia.

"Embora eu não possa apagar o passado, posso me comprometer, em nome de todos os funcionários da Uber, a aprender com nossos erros", afirmou Khosrowshahi.

Ele disse que a empresa começou a notificar agências reguladoras, e uma porta-voz disse que a Procuradoria-Geral de Nova York iniciou uma investigação.

Agências reguladoras da Austrália e das Filipinas disseram que analisarão o assunto. O Uber está tentando melhorar sua imagem na Ásia, onde teve problemas com as autoridades e está negociando com um consórcio envolvendo o banco japonês Softbank para novos investimentos. O SoftBank recusou-se a comentar.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247