UE esgotou estoques militares ao ajudar Ucrânia, diz chefe da diplomacia europeia

No final de abril, o chefe da diplomacia europeia especificou que o fornecimento total de armas para a Ucrânia por todos os países da União Europeia excede 1,5 bilhão de euros

www.brasil247.com - Chefe de Política Externa e de Segurança da União Europeia, Josep Borrell
Chefe de Política Externa e de Segurança da União Europeia, Josep Borrell (Foto: Oscar Del Pozo/Sputnik)


Sputnik Brasil - O chefe de Política Externa e de Segurança da União Europeia (UE), Josep Borrell, admitiu neste domingo (22) que o bloco ficou sem equipamento militar ao ajudar a Ucrânia e pediu aos Estados-membros que reforcem suas capacidades de defesa.

"Os estoques esgotados resultantes do apoio militar que fornecemos à Ucrânia são o exemplo mais óbvio de nossas deficiências. No entanto, isso se soma aos herdados de cortes orçamentários anteriores e subinvestimentos", escreveu ele em um post no blog da UE.

No final de abril, o chefe da diplomacia europeia especificou que o fornecimento total de armas para a Ucrânia por todos os países da União Europeia excede 1,5 bilhão de euros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Borrell argumentou hoje (22) que as capacidades de defesa da UE e as despesas militares não correspondiam às que ele alegou serem necessárias para combater as ameaças à segurança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"De 1999 a 2021, os gastos combinados de defesa da UE aumentaram apenas 20% — contra 66% para os EUA, 292% para a Rússia e 592% para a China. Certamente, é preciso levar em conta o nível inicial das capacidades militares, mas esses números mostram tendências muito diferentes", elencou.

A UE precisa aumentar os gastos militares para manter forças armadas modernas e interoperáveis ​​e reabastecer seus estoques, declarou Borrell.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele propôs aumentar as capacidades militares nos próximos cinco anos, especificamente nas defesas aéreas, cibernéticas e espaciais.

A longo prazo, disse Borrell, os membros da UE devem se concentrar na aquisição e construção de armas em conjunto, como tanques de batalha principais e equipamentos de percepção situacional e espacial.

A Rússia iniciou uma operação militar especial, em 24 de fevereiro, com o objetivo de "desmilitarizar" e "desnazificar" a Ucrânia, após pedido de ajuda das repúblicas populares de Donetsk (RPD) e Lugansk (RPL) para combater ataques de tropas ucranianas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A missão, segundo o Ministério da Defesa russo, tem como alvo apenas a infraestrutura militar da Ucrânia.

Moscou afirmou em diversas ocasiões que não tem planos de ocupar o país.

Em resposta, os Estados Unidos e seus aliados impuseram sanções abrangentes à Rússia e forneceram ajuda bilionária em infraestrutura militar à Ucrânia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email