Universidade de Columbia convida militantes antigolpe para seminário em NY

O protesto dos brasileiros antigolpe em seminário recente na Universidade de Columbia, Nova York, contra o juiz Sergio Moro, gerou um profundo impacto na comunidade acadêmica local; os organizadores do evento foram acusados de ter ignorado o contraditório e a Columbia então decidiu organizar um outro seminário, nesta sexta-feira 3, com a presença de Natalia Campos, representante do movimento Defend Democracy in Brazil, formado por brasileiros residentes nos EUA, além de americanos simpatizantes

O protesto dos brasileiros antigolpe em seminário recente na Universidade de Columbia, Nova York, contra o juiz Sergio Moro, gerou um profundo impacto na comunidade acadêmica local; os organizadores do evento foram acusados de ter ignorado o contraditório e a Columbia então decidiu organizar um outro seminário, nesta sexta-feira 3, com a presença de Natalia Campos, representante do movimento Defend Democracy in Brazil, formado por brasileiros residentes nos EUA, além de americanos simpatizantes
O protesto dos brasileiros antigolpe em seminário recente na Universidade de Columbia, Nova York, contra o juiz Sergio Moro, gerou um profundo impacto na comunidade acadêmica local; os organizadores do evento foram acusados de ter ignorado o contraditório e a Columbia então decidiu organizar um outro seminário, nesta sexta-feira 3, com a presença de Natalia Campos, representante do movimento Defend Democracy in Brazil, formado por brasileiros residentes nos EUA, além de americanos simpatizantes (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Miguel do Rosário, do Cafezinho - O protesto dos brasileiros antigolpe em seminário recente na Universidade de Columbia, Nova York, contra o juiz Sergio Moro, gerou um profundo impacto na comunidade acadêmica local.

Os organizadores do evento, que contou com a participação de Sergio Moro e Carmen Lucia, foram acusados de terem ignorado o contraditório. Provavelmente, nem imaginavam que houvesse contraditório, pois a blindagem midiática brasileira em favor de Sergio Moro é avassaladora.

O protesto, felizmente, furou o bloqueio.

A Columbia então decidiu organizar um outro seminário, a se realizar neste dia 3 de março, com a presença de Natalia Campos, representante do movimento Defend Democracy in Brazil, que é composto por brasileiros residentes nos EUA, e americanos simpatizantes, que se opuseram ao golpe de Estado em 2016 e acham, portanto, que o atual governo brasileiro é ilegítimo.

O link deste seminário é este:

Os estrangeiros, como aliás tem sido comum nestes tempos sombrios vividos pelo Brasil, tem se mostrado mais interessados em ouvir opiniões diferentes do que as próprias instituições e imprensa nacionais.

No Brasil, dirigentes e professores universitários que organizam eventos contra o golpe estão sendo perseguidas por membros do Ministério Público Federal (MPF), como é o caso do reitor da UFRJ.

A grande imprensa brasileira, por sua vez, em nenhum momento abriu espaço para o contraditório, até porque foi peça essencial na criação da atmosfera de terrorismo político que levou ao golpe.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247