Venezuela convoca ato de solidariedade a Chávez

Iniciativa foi do presidente da Assembleia Legislativa, Diosdaldo Cabello; manifestação está marcada para o dia em que Hugo Chávez, internado em Havana, deveria tomar posse

Venezuela convoca ato de solidariedade a Chávez
Venezuela convoca ato de solidariedade a Chávez
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Monica Yanakiew
Enviada Especial

Caracas – O presidente da Assembleia Legislativa venezuelana, Diosdado Cabello, convocou ontem (7) uma grande manifestação em frente ao Palácio Presidencial Miraflores para quinta-feira (10), data na qual o presidente Hugo Chávez deveria assumir um novo mandato de seis anos. Segundo Cabello, vários chefes de Estado e de Governo de “países amigos” participarão do ato para “demonstrar sua solidariedade com o comandante Chávez e o povo venezuelano e em sinal de respeito à Constituição”.

Ele, no entanto, não confirmou a presença de Chávez, que permanece em Havana, recuperando-se de uma cirurgia pélvica, feita no dia 11 de dezembro, para combater um tumor cancerígeno. Foi a quarta operação, desde que o presidente venezuelano descobriu que tinha a doença, há dezoito meses, mas foi a única que produziu um debate constitucional.

A oposição convocou um protesto, também para a quinta-feira, a fim de cobrar do governo a verdade sobre a saúde do presidente e o cumprimento da Constituição (reformada em 1999, durante o primeiro governo de Chávez). O Artigo 231 diz que o presidente eleito tem que assumir no dia 10 de janeiro o governo, prestando juramento perante à Assembleia Nacional. Mas também diz que, se isso não for possível, ele poderá prestar juramento perante o Supremo Tribunal de Justiça (a Suprema Corte).

“O próprio Chávez deu ordens expressas sobre o que fazer, caso ele não pudesse assumir, e citou a Constituição”, disse hoje, em entrevista à imprensa, o deputado Tomas Guanipa, líder do partido oposicionista Primeiro Justiça. Dias antes de embarcar para Havana, Chávez pediu permissão à Assembleia Nacional para se ausentar do país e, no que parecia ser um discurso de despedida, nomeou como herdeiro político o vice-presidente Nicolas Maduro.

De acordo com informações oficiais, Chávez enfrenta uma difícil recuperação, agravada por sérios problemas respiratórios. Mas ninguém fala em convocar novas eleições. Na interpretação dos chavistas, como Chávez já é presidente e foi reeleito por 54% dos votos, o juramento do dia 10 é uma mera “formalidade”. O vice-presidente e os ministros continuarão tocando o governo até ele voltar.

“A oposição espera que Chávez desapareça no dia 10 de Janeiro. Querem que o vice-presidente e os ministros abandonem seus cargos? Eles não podem. Legalmente eles não têm o direito de abandonar suas responsabilidades”, disse Cabello, ao convocar a manifestação. “Vamos seguir a vontade do povo venezuelano, expressa no dia 7 de outubro, quando elegeram Chávez presidente”, completou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email