Venezuela liberta ex-candidato presidencial e membros da oposição

Autoridades venezuelanas libertaram da prisão domiciliar o ex-governador de oposição e ex-candidato presidencial Manuel Rosales, e ainda soltaram mais cinco ativistas contrários ao governo do presidente Nicolás Maduro; Rosales foi preso em 2015 após retornar para a Venezuela vindo do Peru, para onde havia fugido seis anos antes depois de ser acusado de enriquecimento ilícito pelo governo do ex-líder socialista Hugo Chávez; cinco outros ativistas foram libertados da prisão com a condição de que eles não deixem o país e apareçam periodicamente no tribunal

Líder de oposição venezuelano, Manuel Rosales
Líder de oposição venezuelano, Manuel Rosales (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - As autoridades venezuelanas libertaram neste sábado da prisão domiciliar o ex-governador de oposição e ex-candidato presidencial Manuel Rosales, e ainda soltaram mais cinco ativistas contrários ao governo do presidente Nicolás Maduro.

Rosales foi preso em 2015 após retornar para a Venezuela vindo do Peru, para onde havia fugido seis anos antes depois de ser acusado de enriquecimento ilícito pelo governo do ex-líder socialista Hugo Chávez, que morreu em 2013. Ele conseguiu o direito a prisão domiciliar em outubro.

"Eu informo ao povo da Venezuela que fui libertado junto com outros prisioneiros políticos", escreveu Rosales em sua conta no Twitter. "Continuamos lutando pela libertação de todos os prisioneiros políticos e pelo retorno dos exilados."

Cinco outros ativistas foram libertados da prisão com a condição de que eles não deixem o país e apareçam periodicamente no tribunal, de acordo com o advogado Gonzalo Himiob, do grupo de direitos humanos Fórum Penal. Eles haviam sido presos em 2014, quando a oposição liderou uma onda de protestos pela renúncia de Maduro.

O Ministério da Informação da Venezuela não respondeu a telefonemas para comentar o assunto.

Líderes da oposição dizem que o governo de Maduro está mantendo cerca de 100 prisioneiros políticos que foram injustamente presos por protestarem contra a administração federal, incluindo o ex-prefeito e líder da oposição Leopoldo López.

Importantes figuras políticas internacionais já pediram publicamente pela libertação dos presos, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o sul-africano ganhador do Nobel da Paz Desmond Tutu.

Maduro nega que o país mantenha prisioneiros políticos, insistindo que os presos foram detidos por envolvimento em violência nas ruas ou em planos para derrubar seu governo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email