Vereador de Paris: Lula foi impedido de concorrer ao Planalto por operação com objetivos políticos

Vereador Patrick Klugman explica o motivo de conceder a Lula o título de Cidadão Honorário de Paris. "Atribuímos este título de cidadão de honra simplesmente porque temos a convicção através das revelações feitas pelo jornal The Intercept que a investigação que se chama Lava Jato, que visava o presidente Lula, foi motivadas por considerações puramente políticas"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vereador da cidade de Paris Patrick Klugman falou sobre o projeto aprovado pela Câmara Municipal e sancionado pela prefeita da capital francesa, Anne Hidalgo, que concedeu ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o título de Cidadão Honorário de Paris. 

"A cidadania honorária é um tíotulo que foi criado pelo prefeito Bertrand Delanoë e não é um título honorífico, mas de proteção. Atribuir o título de cidadão de honra não é dizer que se acha que este homem político é irrepreensível, ou por ser de esquerda, que por acaso apreciamos os feitos, aliás não tem nada a ver com isso", diz Klugman. 

"Se tratando de Lula, atribuímos este título de cidadão de honra não por ele ter sido um grande presidente de esquerda de um grande país, ou que um poder funesto o tenha sucedido; mas simplesmente porque nós temos a convicção através das revelações feitas pelo jornal THe Intercept no mês de junho deste ano, que a investigação, que se chama Lava Jato, que visava o presidente Lula, foi motivadas por considerações puramente políticas", afirmou o parlamentar francês. 

Inscreva-se na TV 247 e assista:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247