Wal Mart entra na disputa para comprar o TikTok

A varejista revelou planos de enfrentar a Microsoft fazendo uma oferta pelas operações do TikTok nos EUA, horas após o presidente-executivo do aplicativo anunciar sua renúncia

TikTok
TikTok (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - Wall Street rapidamente enxergou a lógica por trás do movimento do Walmart de disputar a compra do TikTok - ter acesso a milhões de usuários jovens e digitalmente experientes que podem ajudar a empresa a impulsionar seu negócio de vendas online.

A varejista revelou planos de enfrentar a Microsoft fazendo uma oferta pelas operações do TikTok nos EUA, horas após o presidente-executivo do aplicativo anunciar sua renúncia.

Analistas disseram que o Walmart comprar uma participação no aplicativo de vídeos da chinesa ByteDance, com cerca de 100 milhões de usuários mensais ativos nos Estados Unidos, pode ser uma virada de jogo para a maior varejista do mundo.

“Conectar-se com um público mais jovem é vital para a perspectiva de longo prazo do Walmart, especialmente à medida que mais gerações digitalmente nativas entram em seus anos principais de consumo”, disse o analista do UBS Michael Lasser.

“As linhas entre as compras tradicionais, as compras digitais e as redes sociais estão se tornando menos evidentes. O Walmart precisa de mais exposição à essa tendência.”

As empresas têm se esforçado para anunciar e vender em aplicativos como o TikTok e o Instagram, do Facebook, que viram um aumento nas vendas, à medida que as pessoas passam horas todos os dias assistindo os vídeos mais recentes de seus influenciadores favoritos.

Cerca de 23% dos usuários dos EUA relataram ter feito uma compra no Instagram no início deste ano, ante 15% no fim de 2019, de acordo com pesquisa realizada pela RBC Capital Markets.

Uma combinação das operações de e-commerce e dados de clientes do Walmart, com a plataforma de nuvem Azure, da Microsoft, e os usuários do TikTok poderia criar um gigante digital ainda mais dominante do que a Amazon ou o Facebook, disse o analista da Jefferies Christopher Mandeville.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247