A batalha política pode virar batalha campal?

Quem alerta para o risco é Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, que recebeu ameaça de morte num comentário postado (e já retirado) no 247. Segundo ele, o confronto, que no Brasil ainda se limita à blogosfera, já ganhou as ruas da Venezuela, da Bolívia e do Equador; essa ameaça existe também no Brasil?

A batalha política pode virar batalha campal?
A batalha política pode virar batalha campal?
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Eduardo Guimarães

Do Blog da Cidadania - Publico este post não exatamente por conta do fato que noticiarei a seguir, mas por tal fato decorrer de um processo que vejo ir se materializando e que me preocupa porque já o vi ocorrer em países sul-americanos que visito a trabalho, com destaque para a Venezuela.

Não foi uma só vez em que fui ameaçado de espancamento ou de morte tanto via comentários aqui no Blog quanto no Twitter. A última aconteceu no site Brasil 247, em comentário a artigo de minha lavra publicado aqui e republicado lá.

Nunca dei maior importância a esses psicopatas. Apesar de achar que só fazem tais bravatas por trás de um computador, um deles foi munido de cartazes me caluniando ao encontro de blogueiros em Brasília, em 2010, e, em dado momento, fez menção de me agredir.

O mais grave é que um maluco é uma coisa, mas, naquela oportunidade, o pirado estava com um irmão tão pirado quanto ele. Ou seja, se eram doentes, a doença atingiu a ambos…

Claro que, tanto quanto as outras ameaças que recebi, esta também será enviada às autoridades devido à gravidade, pois o indivíduo, obviamente que oculto sob um pseudônimo, ameaçou me matar a tiros.

Tenho quase certeza de que é o mesmo sujeito de Brasília, o que deverá facilitar sua identificação pela Polícia. Confira, abaixo, a ameaça que me foi feita:

GALEÃO CUMBICA 29.12.2012 às 19:35

So de pensar que esse tipo de animal com nome de gente, Eduardo Guimarães, financiado com dinheiro publico escreve um lixo desse calibre, da vontade de encontrar o sujeito e meter-lhe um balaço no meio da cara!!! (…)”

Particularmente, penso que é bravata. Nem acho que quis me intimidar. Apenas externou seu ódio, um ódio que não nasceu em si, mas que foi instilado pela mídia, pelos Reinaldos Azevedos, Augustos Nunes, Elianes Cantanhêdes e congêneres.

O problema, portanto, não sou eu ou esse pirado – nem os outros tantos que há por aí. O problema é que a direita midiática está desencadeando, no Brasil, um processo que vi, recentemente, em países vizinhos.

Até alguns poucos anos atrás eu viajava bastante à Venezuela e, lá, vi várias cenas de batalha campal. Certa vez, chavistas e antichavistas quebraram uma lanchonete em que eu estava. Cheguei a levar um murro no estômago ao tentar proteger uma moça empurrada por um dos brigões.

Vi essas coisas acontecerem, também, na Bolívia e no Equador.

No Brasil, tudo tem se resumido, salvo exceções, à internet, com os valentões bem escondidinhos por trás do computador, inclusive usando codinomes.

Mas o processo que me preocupa, é inexorável. Nos países em que a violência de origem política tem eclodido, ela começou na imprensa e na internet. Aqui, se não se conseguir convencer a direita midiática a parar de fomentar ódio, a guerra campal não vai tardar.

Depois não digam que não avisei.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email