Aloysio comanda fúria tucana: “Dilma mentiu”

Batendo na tecla do 'maior estelionato eleitoral da história', tocada por Aécio Neves, ex-parceiro de chapa Aloysio Nunes (PSDB-SP) cumpre promessa de recusar diálogo e joga na ofensiva; "Dilma mentiu sobre as contas do governo", acusou ele, nesta tarde, em discurso no Senado; ele comparou o discurso da presidente na campanha e ao registro de déficit primário de R$ 25 bilhões em setembro; senador também ressaltou que a inflação não está sob controle e acusou o governo de omitir informações negativas antes das eleições; PSDB segue atuando como se houvesse, neste momento, um terceiro turno eleitoral

www.brasil247.com - Batendo na tecla do 'maior estelionato eleitoral da história', tocada por Aécio Neves, ex-parceiro de chapa Aloysio Nunes (PSDB-SP) cumpre promessa de recusar diálogo e joga na ofensiva; "Dilma mentiu sobre as contas do governo", acusou ele, nesta tarde, em discurso no Senado; ele comparou o discurso da presidente na campanha e ao registro de déficit primário de R$ 25 bilhões em setembro; senador também ressaltou que a inflação não está sob controle e acusou o governo de omitir informações negativas antes das eleições; PSDB segue atuando como se houvesse, neste momento, um terceiro turno eleitoral
Batendo na tecla do 'maior estelionato eleitoral da história', tocada por Aécio Neves, ex-parceiro de chapa Aloysio Nunes (PSDB-SP) cumpre promessa de recusar diálogo e joga na ofensiva; "Dilma mentiu sobre as contas do governo", acusou ele, nesta tarde, em discurso no Senado; ele comparou o discurso da presidente na campanha e ao registro de déficit primário de R$ 25 bilhões em setembro; senador também ressaltou que a inflação não está sob controle e acusou o governo de omitir informações negativas antes das eleições; PSDB segue atuando como se houvesse, neste momento, um terceiro turno eleitoral (Foto: Aline Lima)


Agência Senado - O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) criticou a presidente da República, Dilma Rousseff, em discurso nesta segunda-feira (10) em Plenário. Ele a acusou de mentir durante a campanha eleitoral ao garantir que a inflação e as contas públicas estavam sob controle.

Ele afirmou que a inflação não está controlada e salientou que o balanço contábil recém-divulgado pelo governo mostrou que o déficit primário chegou a R$ 25 bilhões em setembro, levando as contas públicas para o vermelho. Aloysio Nunes disse também que o governo escondeu da sociedade, até o segundo turno das eleições, várias informações negativas para o governo.

- O segredo é a prática do poder que se oculta. E a mentira é a prática do poder que oculta. Oculta o quê? Oculta a verdade. Mentira e verdade sempre foram termos antitéticos na discussão moral, ética e também política. Moral ética e religiosa. O Talmude equipara a mentira à pior forma de roubo. Celso Lafer, em artigo recente, lembra esse trecho do Talmude. Existem sete classes de ladrões, e a primeira é a daqueles que roubam a mente dos seus semelhantes através de palavras mentirosas.

Aloysio Nunes ressaltou que Dilma espalhou durante a campanha que o candidato do PSDB, senador Aécio Neves (MG), acabaria com o Programa Bolsa Família, para assustar o eleitorado, quando Aécio propunha que o Bolsa Família se tornasse uma política de Estado, e não apenas de governo. O senador tucano, que concorreu a vice-presidente na chapa de Aécio, também rebateu a afirmação de Dilma, durante a campanha, de que o PSDB enfraqueceria os bancos públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Prato de comida

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aloysio Nunes observou ainda que Dilma mentiu ao dizer que a então candidata do PSB, Marina Silva, tiraria comida do prato do trabalhador ao propor a independência do Banco Central.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- O que realmente tira prato de comida da mesa do trabalhador é o aumento das tarifas públicas, é o aumento da gasolina, do diesel. E ela disse que não haveria hipótese de tarifaço. Está aí, no jornal. Pouco tempo depois da sua eleição, aumento da tarifa de energias: 15% neste ano e provavelmente mais 15% no ano que vem, para corrigir os efeitos de uma medida desastrada que ela adotou no seu primeiro mandato a pretexto de baixar a conta de energia - criticou.

Aloysio Nunes disse por fim que dificilmente a presidente conseguirá o que se propõe a fazer agora: controlar a inflação e conter os gastos públicos. É que, para fazer isso, continuou, o governo teria que manter suas despesas dentro do que arrecada, exatamente o que Dilma Rousseff não fez em sua primeira gestão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email