Aloysio Nunes desafia Dilma a tocar no PMDB

Senador do PSDB cobrou para o Ministrio da Agricultura, de Wagner Rossi,o mesmo tratamento dispensado pela presidente ao Ministrio dos Transportes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) desafiou hoje a presidente Dilma Rousseff a agir com o PMDB da mesma forma como fez com o PR, que perdeu 28 servidores por conta da primeira faxina realizada na sua equipe ministerial. "Vamos ver se a presidente está realmente disposta a fazer o que ela chamou de faxina", afirmou. "Ela mexeu com o PR, será que terá a coragem de enfrentar os problemas do PMDB?", questionou.

No seu entender, o governo enfrenta o impasse de encontrar "coisas ruins" em qualquer lugar que mexer. No caso específico do Ministério da Agricultura, Aloysio Nunes lembra que a exoneração do ex-secretário-executivo Milton Ortolan "logo de cara" demonstra que a situação na pasta é pior do que mostra a reportagem da revista Veja sobre a cobrança de propina de contratos da pasta. "Se o assessor direito do ministro saiu logo de cara, é porque tem coisa mais grave lá dentro", afirmou.

O senador disse que falta à presidente Dilma um comportamento transparente em substituição à atitude adotada até agora, de "dar uma no cravo e outra na ferradura". "A presidente tirou muitas pessoas do Ministério dos Transportes mas, ao mesmo tempo o governo se esforçou para retirar as assinaturas e impedir uma CPI para apurar irregularidades na pasta", criticou. "Em matéria de corrupção, o governo está na seguinte situação, como se diz lá no interior: cada machadada, uma minhoca", provocou.

O senador tucano diz acreditar que o Planalto não deveria ter dificuldades em fazer algo contra o PMDB, se tivesse uma regra uniforme de ação. "Se o governo define uma regra, essa regra tem de ser igual para todos e dentro do PMDB tem gente muito boa que quer fazer política corretamente, não há porque ter medo de punir os maus feitos", alegou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email