Ana de Hollanda pode perder a vaga para Paulo Teixeira

Sucessor seria deputado em ascenso no PT, mas tambm o maior desafeto de Marta Suplicy no partido

Ana de Hollanda pode perder a vaga para Paulo Teixeira
Ana de Hollanda pode perder a vaga para Paulo Teixeira (Foto: Wilson Dias/ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Nota publicada neste fim de semana na coluna do jornalista Felipe Patury, na revista Época, informa que um dos movimentos da reforma ministerial preparada pela presidente Dilma Rousseff será a substituição de Ana de Hollanda pelo deputado Paulo Teixeira, no Ministério da Cultura. Seria uma forma de apaziguar as relações entre as duas alas do PT na Câmara dos Deputados: uma comandada por Teixeira e a outra por Cândido Vaccarezza.

Se for verdade, a informação pode trazer novos problemas para a candidatura de Fernando Haddad em São Paulo, que necessita do empenho de Marta Suplicy para ganhar votos na periferia da capital paulista. Teixeira é, no PT, o maior desafeto de Marta. Antes dele, Dilma também fez outra escolha ruim para Haddad, ao sinalizar que Aloizio Mercadante será seu sucessor no Ministério da Educação. Isso sinaliza que Mercadante, e não Marta, será o provável candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes em 2014.

Há meses, Ana de Hollanda vem sendo apontada como um dos primeiros alvos da reforma ministerial, em função de sua atuação discreta à frente da Cultura. Recentemente, o Ministério anunciou suas metas até 2020.

Elaboradas a partir de consultas públicas e aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), os 53 objetivos vão do mapeamento das várias formas de expressão cultural existentes em todo o território brasileiro ao desejo de ver 10% do dinheiro do Fundo Social do Pré-Sal destinado à cultura.

Uma das metas é elevar dos atuais 0,036% do Produto Interno Bruto (PIB), o que equivale a R$ 1,34 bilhão, para 0,05% em 2020, atingindo R$ 2,64 bilhões. Além disso, o ministério almeja ampliar também o volume de recursos destinados à cultura por meio da renúncia fiscal e das leis de incentivo. A meta é elevar dos atuais 0,05% do PIB para 0,06%. Embora pareça pouco, o aumento resultaria na elevação dos atuais R$ 1,29 bilhão para R$ 2,21 bilhões, ou seja, um crescimento de cerca de 70%.

Entre as diretrizes do plano também estão o estímulo à leitura e a ampliação do número de espaços culturais, principalmente, nas cidades de menor porte ou que integram os chamados territórios da cidadania. A meta é que, até 2020, o brasileiro leia uma média anual de quatro livros que não sejam técnicos. Atualmente, a média é 1,3 livro por ano.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email