Artigo aponta armação de Gabeira como militante da ditadura

Ex-deputado federal, que escreveu o primeiro livro sobre o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick – "O que é isso, companheiro?" – na verdade não participou da ação, como revela um documentário posterior com todos os participantes ainda vivos; artigo publicado no Portal Vermelho, ligado ao PCdoB, ironiza a "modernidade" de Fernando Gabeira e critica seu artigo publicado ontem no Estadão, em que afirma que "uma esquerda no governo não poderia comprometer-se a fundo com Cuba e Venezuela"

Ex-deputado federal, que escreveu o primeiro livro sobre o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick – "O que é isso, companheiro?" – na verdade não participou da ação, como revela um documentário posterior com todos os participantes ainda vivos; artigo publicado no Portal Vermelho, ligado ao PCdoB, ironiza a "modernidade" de Fernando Gabeira e critica seu artigo publicado ontem no Estadão, em que afirma que "uma esquerda no governo não poderia comprometer-se a fundo com Cuba e Venezuela"
Ex-deputado federal, que escreveu o primeiro livro sobre o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick – "O que é isso, companheiro?" – na verdade não participou da ação, como revela um documentário posterior com todos os participantes ainda vivos; artigo publicado no Portal Vermelho, ligado ao PCdoB, ironiza a "modernidade" de Fernando Gabeira e critica seu artigo publicado ontem no Estadão, em que afirma que "uma esquerda no governo não poderia comprometer-se a fundo com Cuba e Venezuela" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um artigo publicado no Portal Vermelho, ligado ao PCdoB, destaca o que chama de "o segredo de Fernando Gabeira" em referência ao período em que atuou como militante contra a ditadura militar. O texto mostra que Gabeira, ao contrário do que contou em seu livro "O que é isso, companheiro?" - o primeiro sobre o sequestro do embaixador americano Charles Elbrick - na verdade não participou da ação. O artigo ironiza o "moderno político" que há no ex-deputado e faz críticas ainda ao artigo publicado ontem por ele no Estadão, em que afirma que "uma esquerda no governo não poderia comprometer-se a fundo com Cuba e Venezuela" (leia aqui).

Leia abaixo: 

O segredo de Fernando Gabeira e o ataque da Globo a Cuba

Fernando Gabeira é um mestre em marketing pessoal. Mesmo tendo uma participação apenas "circunstancial e secundária" no famoso sequestro do embaixador Charles Elbrick (vejam o vídeo no final da última nota sobre este tema) escreveu um livro ao voltar do exílio, "O que é isso, companheiro", onde exagera em muito a sua participação para usufruir da mística de "guerrilheiro", coisa que na prática nunca foi.

Em 1979 chamou a atenção por andar de sunga de crochê na praia de Ipanema. Em 1986, quando o Partido dos Trabalhadores era uma novidade que atraia uma juventude neófita em democracia, Gabeira foi candidato pelo PT ao governo do Rio. Saiu do PT para fundar o PV, aproveitando o auge do discurso "ecológico". Saiu do PV em 2002 e voltou ao PT, onde ficou apenas um ano, tempo bastante para se eleger deputado federal na onda que embalou a vitória de Lula, abandonar o partido que o elegeu e voltar ao PV, levando o mandato, é claro. E depois? Perguntará o leitor ansioso. Saiu do PV de novo. Durante esta legislatura, Gabeira usou (em 2004) R$ 20 mil para contratar uma empresa de sua mulher para prestar serviço em seu gabinete. Também deu passagens do mandato, pagas com o dinheiro público, para a filha surfar no exterior. Quando o fato veio à tona, candidamente admitiu "não ter refletido sobre o dilema ético".

Gabeira, um sujeito moderno

Gabeira considera que o socialismo, "foi um fracasso". Em 2010, apoiou José Serra para presidente. Mas sempre mantendo em torno de si mesmo a aura de um sujeito "moderno", defensor de uma "nova política". No entanto, confunde o público com o privado e entra e saí de partidos, como vimos, como qualquer outro velho espertalhão do parlamento. Em artigo publicado nesta sexta-feira (10), no jornal O Estado de S. Paulo, intitulado "Bye Bye Dilma", o articulista, que agora nutre um ódio visceral pelo PT, afirma que "uma esquerda no governo não poderia comprometer-se a fundo com Cuba e Venezuela. Ainda que admirasse os dois modelos, o que é um alto grau de miopia (...) uma esquerda no governo deveria abster-se de levar o capitalismo a um outro sistema, mas, sim, tirar o melhor proveito de suas potencialidades".

Gabeira e Bolsonaro

Argumentos como estes, provavelmente até com uma redação melhor, encontramos em qualquer anticomunista raivoso que enxerga no Governo Dilma uma conjuração do bolivarianismo que estaria conduzindo o Brasil rumo ao socialismo do século 21 (quem dera). Perguntem a Gabeira qual era o objetivo dos que lutaram contra a ditadura. A resposta que ele já deu dezenas de vezes define tudo, segundo ele a resistência queria "substituir uma ditadura por outra". Esta é a mesma resposta que o Bolsonaro daria. A faceta autoritária de Gabeira, que o aproxima mais ainda do Bolsonaro, é revelada neste trecho do artigo: "Não há espaço para uma esquerda monocrática que confunde suas ideias com o interesse nacional". Ou seja, uma esquerda que pretenda travar a disputa eleitoral para, chegando ao poder pelo voto, implementar as ideias que defende e que o povo eventualmente elegeu, deve ser defenestrada ("não há espaço", diz ele). Para Gabeira então só pode existir uma ideia justa (o neoliberalismo) e a disputa se daria apenas em torno de nomes para administrar o que já existe de forma eterna e imutável. As eleições seriam então um grande jogo de cena e o poder, monocrático.

Gabeira, o segredo revelado

Na verdade, o segredo de Gabeira está revelado. Por mais que disfarce, ele se entrega pelas próprias palavras: longe de ser "moderno" e mais longe ainda de representar uma "nova política", Gabeira hoje não passa de um senhor amargo e reacionário. Se viver mais uns dez anos – esperamos que viva muito mais – talvez ele chegue a defender a monarquia absolutista. Alguns podem considerar o Gabeira um traidor, afinal ele já foi de esquerda. Eu não concordo. Prefiro a definição de Voltaire: "Quem revela o segredo dos outros passa por traidor; quem revela o próprio segredo passa por imbecil".

 

Globo ataca Cuba com mentiras, Barreto ataca a Globo falando umas verdades

Recentemente, o insuspeito Banco Mundial revelou em relatório de setembro de 2014 que Cuba é o único país da América Latina e do Caribe que dispõe de um sistema educativo de alta qualidade. No campo da saúde pública nem é preciso falar, Cuba é referência para o mundo e os médicos cubanos atuam em missões em nada menos do que 60 países. O cidadão cubano tem a expectativa de vida mais alta da região e uma das mais altas do mundo. Hoje, a taxa de mortalidade infantil em Cuba é de 5 por mil; um desempenho superior ao dos EUA, segundo a ONU, e muito acima da média latino-americana. É preciso que a TV Globo justifique como tudo isto é possível no mentiroso cenário que criou sobre Cuba, nesta sexta-feira (10), no programa Bom Dia Brasil, que dedicou vários minutos a uma matéria destinada a caluniar e a mentir sobre a revolução cubana. Quem não conhece a realidade de Cuba e ainda cai na besteira de acreditar na Globo, fica achando que em Cuba todos passam fome, com exceção de alguns sortudos cujos parentes emigraram e mandam dinheiro para lá, inclusive este seria o caso dos médicos cubanos, que trabalham no programa "Mais Médicos". Antonio Barreto de Souza é presidente da Associação José Martí-Bahia, membro da direção nacional do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) e rebate as mentiras, em texto exclusivo para o Notas Vermelhas.

Abaixo a Globo, viva Cuba

Por Antonio Barreto

Estive em Cuba nos anos de 1994 e 1996, no período mais duro que a heroica ilha enfrentou em sua economia, com a queda da União Soviética. A Rússia suspendeu toda a relação comercial com o país, em especial a troca de petróleo por açúcar. Lá passei oito dias em 1994 e 15 dias em 1996, participando do Congresso Internacional de Solidariedade a Cuba em 1994 e do Congresso Internacional contra o neoliberalismo em 1996. Mesmo nesse período, quando o PIB cubano despencou mais de 40%, o povo cubano não passou fome, nem vimos pessoas dormindo nas ruas ou pedindo esmolas. O regime socialista soube dividir o que produzia para que todos os cubanos tivessem pelo menos o básico de alimentação e no campo da saúde e da educação nenhum retrocesso nesse período. De lá para cá, mesmo com a manutenção e até o endurecimento maior do bloqueio imposto pelos EUA, a economia foi melhorando, a indústria do turismo crescendo, chegando na atualidade ao número de 3 milhões por ano, com previsão de 5 milhões agora em 2015.

Fui mais uma vez para Cuba em novembro de 2013. Viajei de ônibus de Havana até Guantânamo, no extremo oriente. Vi uma realidade radicalmente diferente do que a Globo pinta. Conversei com várias pessoas, em especial da juventude. A economia cubana precisa, sem dúvida, se recuperar muito ainda e têm um longo caminho a percorrer para melhorar, mas também está longe de existir fome em Cuba. Esta mentira faz parte de uma sistemática campanha midiática contra o país socialista.

O programa "Mais Médicos" é um sucesso. Dos 14 mil médicos cubanos que estão aqui, somente 40 desistiram.

Cuba vai viver um novo tempo com o fim do bloqueio, com mais desenvolvimento Cuba será em breve ainda melhor, dando lição de solidariedade aos povos em todos os continentes.

A Rede Globo, alinhada e submissa aos interesses do imperialismo estadunidense, imperialismo este que estabeleceu um bloqueio econômico, financeiro e comercial a Cuba há mais de meio século, cujo prejuízo já ultrapassa a cifra de US$ 1 trilhão, mentiu descaradamente mais uma vez no Bom dia Brasil.

Má fé e disputa ideológica, em um momento em que Cuba está próxima de uma vitória política e diplomática com o início do processo da normalização das relações diplomáticas entre os dois países, de igual para igual. Nesta sexta-feira (10), inclusive, John Kerry e Bruno Rodrigues, chanceleres de EUA e Cuba, se reuniram para discutir a reaproximação e mais tarde os presidentes Obama e Raul Castro vão se reunir durante a Cúpula da OEA, no Panamá, para tratar também do tema. Os filhos da velha raposa Roberto Marinho não aceitam o que está acontecendo de positivo para Cuba e para todos os países latino-americanos e caribenhos.

Abaixo a Globo da mentira todo dia! Viva Cuba e o processo de transição ao socialismo que é implementado por seu povo!

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247