As gargalhadas de Renan na noite de Brasília

Fazia tempo que no se via Renan Calheiros (PMDB-AL) to feliz; sua alegria pblica; num restaurante, ele contou a amigos detalhes de sua vingana sobre Demstenes Torres; de quebra, na CPI do Cachoeira, ganha poderes para apresentar uma grande conta presidente Dilma Rousseff

As gargalhadas de Renan na noite de Brasília
As gargalhadas de Renan na noite de Brasília
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marco Damiani _247 – Se tem alguém realmente, mas realmente feliz em Brasília pelos apuros em que está metido o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), esta pessoa é o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Sua alegria já é pública. Na noite do sábado 14, sentado com a família e amigos numa mesa do restaurante Soho, no Pontão, em Brasília, Renan não economizava no tom de voz, nas gargalhadas e nas historietas que contava sobre seu adversário.

- A nota que eu passei para o Cláudio sobre a operação do Demóstenes foi uma das mais engraçadas que ele já publicou, divertia-se Renan, na conversa entre sushis e sashimis, referindo-se ao colunista Cláudio Humberto Rosa e Silva e a uma intervenção cirúrgica a que o senador que deixou o DEM foi submetido tempos atrás.

Momentos antes, Renan, ao lado de sua mulher, lembrava aos amigos como foi tratado por Demóstenes, ao tempo em que teve de renunciar ao cargo de presidente do Senado, em 2007, como forma de preservar o seu próprio mandato:

- Demóstenes mostrava fitas contra mim, fez o que quis, mas agora está ai, sem rumo.

O senador avisou aos interlocutores que sobre todos os fatos políticos recentes vinha conversando com o presidente do Senado, José Sarney, para alinhar a si próprio e ao PMDB numa mesma posição em relação ao julgamento de Demóstenes na Comissão de Ética. Pelo tanto que Renan se divertia, era perceptível para quem estava próximo que, a depender dele, não há escapatória para o senador por Goiás.

Há, ainda, um motivo adicional, e não menos importante, para que Renan viva um momento politicamente tão feliz. Na recente troca da liderança do governo no Senado feita pela presidente Dilma Rousseff, na qual o senador Romero Jucá (PMDB-RR) deu lugar senador Eduardo Braga (PMDB-AM), Renan viu seu grupo político mais próximo perder poder. Ele, afinal, forma, com Jucá e Sarney, um trio com posições indivisíveis. O chega para lá em Jucá significou, naquele momento, um gesto pelo esvaziamento no poder desse grupo.

A CPI mista, entre deputados e senadores, que será instalada para apurar as ramificações do contraventor Carlinhos Cachoeira, porém, fez ressurgir a influência dos três sobre a bancada e outros políticos. Em Brasília, as apostas são de que esse grupo, com Renan à frente, é o que tem mais capacidade para dar o tom da CPI, guiando-a politicamente. A presidente Dilma, que desconfia que a comissão poderá trazer problemas para a sua administração e o seu partido, uma vez que a Delta Engenharia, ligada a Cachoeria, é uma das grandes empreiteiras do PAC, voltará a precisar dos serviços da trinca se não quiser perder o controle sobre os rumos das investigações. Sem dúvida, mais um motivo para Renan sair rindo, leve e solto, pela noite de Brasília.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email