Avaliação do governo Bolsonaro já é pior do que momento mais difícil da Era Lula

Com 34% de Ruim/Péssimo (contra 31% de Bom/Ótimo), 50% de desaprovação (contra 44%) e 55% de pessoas que dizem não confiar no presidente (contra 42%), Bolsonaro tem índices piores do que o governo Lula durante a emergência do Mensalão e o governo Dilma durante as marchas de Junho de 2013

(Foto: ADRIANO MACHADO - REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Lucas Rocha, na Fórum – A última pesquisa CNI/Ibope, que foi divulgada na íntegra na tarde desta quarta-feira (25), aponta que o presidente Jair Bolsonaro possui uma avaliação Ruim/Péssimo mais alta do que o governo Lula no final de 2005, momento em que o caso Mensalão estava no seu auge. Enquanto Lula atingiu 32% de Ruim/Péssimo em dezembro daquele ano, Bolsonaro já possui 34% de avaliações negativas sobre seu governo.

Os números apresentados pelo Ibope mostram um governo cada vez mais fragilizado em apenas 9 meses de mandato. Com 34% de Ruim/Péssimo (contra 31% de Bom/Ótimo), 50% de desaprovação (contra 44%) e 55% de pessoas que dizem não confiar no presidente (contra 42%), Bolsonaro tem índices piores do que o governo Lula durante a emergência do Mensalão e o governo Dilma durante as marchas de Junho de 2013.

Entre janeiro de 2003 e dezembro de 2014, apenas o índice de desaprovação atingiu uma porcentagem maior. Em dezembro de 2005, Lula chegou a 52%, mas na pesquisa seguinte o cenário se inverteu e a aprovação voltou a subir. A desconfiança era de 53%.

Leia a íntegra na Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email