Baixaria contra Haddad partiu do senador Aloysio

Site falso, com a mesma identidade visual do que é usado pelo candidato Fernando Hadadd, fazia troça das promessas do candidato e vinha sendo divulgado pelo gabinete do senador tucano Aloysio Nunes Ferreira; página foi retirada do ar por determinação do Google, mas Aloysio ainda não prestou esclarecimentos nem demitiu seus assessores

Baixaria contra Haddad partiu do senador Aloysio
Baixaria contra Haddad partiu do senador Aloysio
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Ex-guerrilheiro “Mateus” ou “Beto”, o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) é uma das figuras do PSDB que cultiva boas relações com vários quadros petistas. Amigo de José Dirceu e membro da Comissão da Verdade, Aloysio Nunes teria todas as credenciais para promover uma distensão entre os dois partidos. No entanto, nesta campanha municipal, partiu do seu gabinete um dos ataques mais rasteiros ao candidato Fernando Haddad. Emails disparados por seus assessores encaminhavam internautas para um site falso do candidato petista, mas com a mesma identidade visual do verdadeiro, que faziam troça das promessas de Haddad – no site, o petista prometia construir “escolas de lata”. Até agora, Aloysio Nunes não demitiu seus assessores nem se pronunciou a respeito da baixaria. Portanto, é co-responsável pelos ataques, que só foram interrompidos porque o Google determinou a imediata retirada da página do ar. Leia, abaixo, notícia a respeito: 

Membro de comitê de Serra divulga site falso de Haddad 

Do estadão.com.br

A Justiça Eleitoral determinou na quinta-feira (18) ao Google a retirada do ar de um blog apócrifo contra o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, divulgado na rede por uma funcionária do setor de comunicação da campanha do candidato tucano, José Serra. Na tarde de quinta-feira (18), a página já havia sido apagada.

Denominado “Propostas Haddad 13″, o blog imitava a linguagem visual usada pela campanha petista, mas apresentava críticas ao candidato. “Haddad vai criar 50 novas Escolas de Lata”, “Haddad vai aumentar o IPTU” e “Haddad vai voltar com a Taxa do Asfalto” eram alguns dos ataques, seguidos por textos explicativos.

A primeira pessoa a divulgar o blog no Twitter foi Olivia Guariba, que atua na internet da campanha de Serra. A segunda foi seu pai, João Guariba, assessor do senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP). “Novo? Que Novo? É só o velho jeito PT de governar”, comentou Olivia ao divulgar o endereço do blog, às 17h16 de terça-feira, dois minutos após enviar uma mensagem particular para seu pai. Às 18h02, Guariba reenviou o endereço a seus seguidores. “Conheça as propostas do Haddad, o candidato do mensalão e dos mensaleiros”, afirmou.

À reportagem, Guariba disse não se lembrar sobre como tomou conhecimento do blog e que usava o Twitter apenas para “brincar com os amigos”. “Não tenho a mínima ideia, peguei aí pela internet”, disse. Questionado sobre sua relação de parentesco com Olivia, ele preferiu não responder.

A retirada do site foi solicitada pelos advogados da campanha petista. Eles alegaram que o blog era “difamatório e ilícito” por simular a campanha de Haddad e “distorcer” propostas. Os advogados embasaram o pedido no artigo 57 da Lei Eleitoral, que proíbe o anonimato na internet. O juiz Henrique Harris Júnior, da 1.ª Zona Eleitoral, concedeu a liminar, determinando ao Google a retirada imediata do blog do ar e a identificação do responsável pelo site, sob pena de multa diária de R$ 5 mil à empresa.

Para Harris Júnior, as mensagens contidas no blog são “passíveis de enquadramento, em tese, como ofensivas e sabidamente inverídicas, até mesmo com o emprego de imitação das fontes, cores e símbolos utilizados na sua campanha”. O Google informou que não comenta casos específicos, mas destacou que seu serviço de blogs Blogspot, onde estava hospedado o “Propostas Haddad 13″, possui políticas claras sobre casos de falsificação de identidade.

A campanha de Serra afirmou, por meio de sua assessoria, que não produziu o blog.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email