Banco presidido por sócio de Pedro Parente recebeu R$ 2 bi da Petrobras

A Petrobras realizou pagamento de R$ 2 bilhões ao banco JP Morgan por um empréstimo que venceria apenas em 2022; no Brasil, o banco é presidido por José Berenguer, que é sócio de Pedro Parente, segundo o jornalista Filipe Coutinho, da revista Crusoé; responsável pela política de reajuste de preços dos combustíveis que provocou o caos no País com a greve dos caminhoneiros, Parente também é dono da Prada Ltda., especializada em gestão financeira de famílias milionárias; sua esposa, que já teve passagem pelo JP Morgan, é sua sócia

A Petrobras realizou pagamento de R$ 2 bilhões ao banco JP Morgan por um empréstimo que venceria apenas em 2022; no Brasil, o banco é presidido por José Berenguer, que é sócio de Pedro Parente, segundo o jornalista Filipe Coutinho, da revista Crusoé; responsável pela política de reajuste de preços dos combustíveis que provocou o caos no País com a greve dos caminhoneiros, Parente também é dono da Prada Ltda., especializada em gestão financeira de famílias milionárias; sua esposa, que já teve passagem pelo JP Morgan, é sua sócia
A Petrobras realizou pagamento de R$ 2 bilhões ao banco JP Morgan por um empréstimo que venceria apenas em 2022; no Brasil, o banco é presidido por José Berenguer, que é sócio de Pedro Parente, segundo o jornalista Filipe Coutinho, da revista Crusoé; responsável pela política de reajuste de preços dos combustíveis que provocou o caos no País com a greve dos caminhoneiros, Parente também é dono da Prada Ltda., especializada em gestão financeira de famílias milionárias; sua esposa, que já teve passagem pelo JP Morgan, é sua sócia (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Jornal do Brasil - José Berenguer preside o JP Morgan no Brasil. O banco recebeu pagamento no valor de R$ 2 bilhões da Petrobras. Segundo a revista eletrônica Crusoé, Berenguer e Parente, na prática, são sócios.

A informação é do repórter Filipe Coutinho, da revista eletrônica Crusoé. "Um cruzamento de pessoas jurídicas mostra que, na prática, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, é sócio do presidente da JP Morgan no Brasil, José Berenguer", diz a reportagem.

Ainda de acordo com Crusoé, os R$ 2 bilhões teriam sido um adiantamento de um empréstimo que venceria apenas em 2022.

Conflito de interesses na BRF

O presidente da Petrobras já esteve envolvido em outras questões polêmicas. Ao assumir o conselho de administração da BRF, disse não haver "conflito de interesses".

O nome de Parente, que está à frente da Petrobras desde junho de 2016, foi proposto pelo empresário Abilio Diniz, no comando do colegiado desde 2013, e teve apoio da gestora brasileira Tarpon, e dos fundos de pensão Petros (Petrobras) e Previ (Banco do Brasil).

Pedro Parente também é dono da Prada Ltda., especializada em gestão financeira de famílias milionárias. Sua esposa, que já teve passagem pelo JP Morgan, é sua sócia.

Antes de assumir a presidência da Petrobras, a Prada atendia 20 famílias. Depois de ter sido nomeado presidente da estatal, o número de famílias atendidas pela Prada aumentou consideravelmente. Até mesmo bilionários passaram a requisitar os serviços. Além disso, empresas também entraram na lista de clientes da especializada em gestão financeira.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247