Bolsonaro confronta e agride Barroso e diz que eleições "duvidosas" não serão aceitas em 2022

Em novo ataque, Jair Bolsonaro disse nesta terça que o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, coopta membros da corte eleitoral e do STF e também que não vai aceitar "intimidações". Num tom de ameaça, ele voltou a sugerir que há um complô para eleger o ex-presidente Lula em eleições fraudadas no próximo ano

(Foto: ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (3), em um novo ataque, que o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, coopta membros da corte eleitoral e do STF (Supremo Tribunal Federal) e presta um desserviço ao país ao se opor a mudanças no sistema de voto com a urna eletrônica.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, Bolsonaro disse ainda que não vai aceitar "intimidações" e que eleições "duvidosas" não serão aceitas em 2022.

"O ministro Barroso presta desserviço à nação brasileira, cooptando agora gente de dentro do Supremo, né, querendo trazer para si, ou de dentro do TSE, como se fosse uma briga minha contra o TSE ou contra o STF. Não é. É contra ministro do Supremo que é também presidente do TSE querendo impor a sua vontade", disse Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

PUBLICIDADE

A declaração do mandatário ocorre no dia seguinte ao TSE tomar a ação mais contundente desde que Bolsonaro começou a fazer ameaças golpistas de impedir as eleições em 2022, caso seja mantido o sistema atual de votação. O tribunal aprovou a abertura de um inquérito e o envio de uma notícia-crime ao Supremo para que o chefe do Executivo seja investigado no inquérito das fake news.

"Jurei dar minha vida pela pátria. Não aceitarei intimidações. Vou continuar exercendo meu direito de cidadão de criticar, ouvir, e atender acima de tudo a vontade popular."

PUBLICIDADE

De acordo com a reportagem, Bolsonaro voltou a sugerir que há um complô para eleger o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em eleições fraudadas no próximo ano, e repetiu a retórica anticomunista que marcou a sua campanha ao Planalto em 2018.

Em tom de ameaça ao processo democrático, o mandatário disse que pode convocar e participar de manifestações "para darmos o último recado para aqueles que ousam açoitar a democracia". "Repito, o último recado para que eles entendam o que está acontecendo, passem a ouvir o povo", disse o presidente.

PUBLICIDADE

Lula lidera com folga as intenções de voto para as eleições presidenciais de 2022. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email