Bolsonaro foge da imprensa para não comentar esquema das 'rachadinhas'

Após a operação que revelou que seu filho Flávio contratou vários parentes como funcionários-fantasma da Alerj, que depois devolviam parte dos salários ao assessor Fabricio Queiroz, no esquema conhecido como 'rachadinha', Jair Bolsonaro fugiu da imprensa para não comentar o caso

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No mesmo dia em que uma operação do Ministério Público do Rio de Janeiro revelou que seu filho Flávio Bolsonaro contratou vários parentes como funcionários-fantasma quando era deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), e participava da chamada 'rachadinha', Jair Bolsonaro fugiu da imprensa para não comentar o caso.

Bolsonaro deixou de discursar no único evento público do qual participou nesta quarta-feira 18. Ao sair de cerimônia no Palácio, o presidente usou saída por trás da rampa do Salão Nobre e dirigiu-se aos elevadores, evitando a imprensa que o aguardava passar pelo lado oposto, relatou reportagem do UOL.

Mais cedo, a assessoria de comunicação da Presidência reforçou aos repórteres que era fechado um evento evangélico no qual Bolsonaro participaria no Setor de Clubes, ao lado da Ponte JK, em Brasília. Ainda assim, o presidente entrou e saiu pela garagem do Unique Palace, bem longe dos jornalistas que tentavam falar com ele do lado de fora, diz a reportagem.

No final da tarde, no Palácio do Planalto, Bolsonaro não tomou a palavra. Em seu lugar, discursou o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247