Bolsonaro na reunião ministerial: “é fácil impor uma ditadura, o povo está em casa”

Ele também decidiu armar a população: “Quero escancarar o armamento, quero todo mundo armado, povo armado jamais será escravizado”

(Foto: Marcos Correa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “É fácil impor uma ditadura aqui, o povo está dentro de casa. Aí vem um bosta de prefeito que faz uma bosta de um decreto, algema e deixa todo mundo dentro de casa”, disse Jair Bolsonaro, na reunião ministerial de 22 de abril, que expôs as vísceras do governo federal. 

Ele também defendeu a população armada. “Quero escancarar o armamento, quero todo mundo armado, povo armado jamais será escravizado”, completou. 

Inscreva-se na TV 247 e assista à integra da reunião ministerial: 

Saiba mais sobre o caso:

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro defendeu, em reunião ministerial do dia 22 de abril cujo vídeo foi divulgado nesta sexta-feira, que o povo se arme para garantir que não venham impor uma ditadura no Brasil, e cobrou do então ministro da Justiça, Sergio Moro, portaria para facilitar o acesso a armas pela população.

“Se eu fosse ditador, eu queria desarmar a população”, disse Bolsonaro no encontro, realizado no Palácio do Planalto, segundo gravação da reunião divulgada nesta sexta-feira por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Quero escancarar a questão do armamento aqui”, reforçou.

O presidente disse no encontro que “está no governo errado”, quem não aceitar as bandeiras dele, citando a família, Deus, armamento, livre mercado e liberdade de expressão.

Bolsonaro pediu que o então ministro da Justiça, Sergio Moro, e o titular da Defesa, Fernando Azevedo, fizessem uma portaria para aumentar a possibilidade de armamento do cidadão no país.

O vídeo da reunião ministerial foi divulgado, com exclusão de apenas dois trechos, por decisão do ministro do STF Celso de Mello, no âmbito de inquérito sobre denúncia de Moro de que Bolsonaro teria tentado interferir no comando da Polícia Federal.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247