Bolsonaro teme quebra de sigilos pela CPI: 'pode ferrar o governo'

Interlocutores de Jair Bolsonaro ouvidos pelo jornalista Vicente Nunes disseram que ele está com "muito medo" da quebra de sigilos de aliados do governo, determinada pela CPI. Entre os alvos da comissão estão o ex-ministro Eduardo Pazuello, o assessor internacional Filipe Martins e o empresário Carlos Wizard

Jair Bolsonaro, ex-ministro Eduardo Pazuello, assessor Filipe Martins e o empresário Carlos Wizard
Jair Bolsonaro, ex-ministro Eduardo Pazuello, assessor Filipe Martins e o empresário Carlos Wizard (Foto: ABr | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Duas pessoas conversaram com Jair Bolsonaro e afirmaram que ele está com muito medo da quebra de sigilos determinada pelos senadores da CPI da Covid. Segundo Bolsonaro, a medida pode “ferrar” o governo. A informação foi publicada pelo Blog do Vicente, no jornal Correio Braziliense.

Segundo Vicente Nunes, integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito suspeitaram que membros do Palácio do Planalto receberam propina de laboratórios fabricantes de cloroquina. O medicamento não teve eficácia comprovada para o tratamento de pessoas diagnosticadas com a Covid-19, como alertou, nesta sexta-feira (11), a microbiologista Natalia Pasternak na CPI.

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o assessor internacional da Presidência da República, Filipe Martins, e o empresário Carlos Wizard estão na lista das pessoas que tiveram aprovada a quebra de sigilos telefônico e telemático.

Os advogados do ex-assessor especial do Ministério da Saúde Zoser Hardman e da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação da pasta Mayra Pinheiro recorreram nesta quinta-feira (10) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar a decisão dos senadores da CPI da Covid de pedir a quebra de sigilo deles. A defesa de ambos quer manter a restrição de acesso a seus dados telefônicos e telemáticos.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email