Bolsonaro torna a acusar TSE de realizar contagem de votos em 'sala cofre'

Em entrevista, Bolsonaro disse que as Forças Armadas pretendem colocar técnicos dentro da "sala secreta" do TSE. Existência da sala já havia sido negada pelo tribunal em maio

www.brasil247.com - Bolsonaro e urnas eletrônicas
Bolsonaro e urnas eletrônicas (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino | REUTERS/Rodolfo Buhrer)


Sputnik - Faltando pouco mais de uma semana para as eleições presidenciais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) concedeu uma entrevista ao apresentador Sikêra Junior, da TV A Crítica, na qual tornou a mencionar a existência de uma suposta "sala cofre" na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde, segundo ele, seriam realizadas as contagens de voto.

"Segundo informações que eu tenho aqui, as Forças Armadas pretendem colocar técnicos deles dentro da sala cofre do TSE, uma sala aqui que ninguém sabe o que acontece lá dentro, assim como a Polícia Federal parece que vai fazer a mesma coisa e a Controladoria-Geral da União também deve fazer a mesma coisa. Entendo que a chance de desvio de corrupção diminui bastante. Não zera. Zeraria com o voto impresso", disse o presidente.

A existência da sala, no entanto, já foi negada pelo TSE, em maio deste ano, na página criada no site do órgão para desmentir boatos ou informações distorcidas. Na ocasião, o órgão informou que uma nova versão de uma peça de desinformação antiga, criada nas eleições de 2014, voltou a circular este ano nas redes sociais.

A peça distorce uma reportagem feita à época, que mostrava um grupo em uma sala do TSE. De acordo com o órgão, o grupo filmado na reportagem eram técnicos do tribunal, "que monitoravam os sistemas que recebem os Boletins de Urna (BUs) para garantir que todos os equipamentos funcionassem de forma adequada".

O órgão destacou que não existe uma "sala secreta" para contagem de votos, e que a publicação foi feita no intuito de atacar a credibilidade do tribunal e sugerir manipulação no pleito de 2014.

O TSE ressaltou ainda que a contagem é feita através dos Boletins de Urna (BUs) que são emitidos em cada sessão eleitoral, após o fim da votação.

"Vale lembrar que os resultados de uma eleição podem ser conhecidos antes mesmo da totalização, pelo Boletim de Urna (BU), emitido pelo mesário ao final da votação e divulgado nas seções eleitorais e no Portal do TSE. Em 2022, os BUs também ficarão disponíveis on-line, em tempo real, para conferência do público ao longo de todo o período de recebimento dos dados pelo tribunal", destacou o órgão.

Há meses, Jair Bolsonaro vem adotando a estratégia de lançar dúvidas sobre o processo eleitoral. Primeiro, o presidente insistiu na implementação de um sistema de voto impresso que, segundo analistas consultados pela Sputnik Brasil, não poderia ser feito em tempo hábil para as eleições atuais. Ademais, segundo os mesmos analistas, o modelo atual já é passível de ser auditado.

Em seguida, Bolsonaro passou a exigir a presença das Forças Armadas em uma espécie de apuração paralela, o que seria inédito para a democracia brasileira. Em julho deste ano, o ex-embaixador dos EUA no Brasil, Thomas Shannon, disse acreditar que a campanha do presidente tenta emular a estratégia adotada em 2020, por Donald Trump, de justificar uma eventual derrota acusando as eleições de fraude.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email