Ciro, pelos próprios erros, é carta fora do baralho

Ex-ministro e ex-governador, Ciro Gomes reaparece para se lanar Presidncia em duas entrevistas, mas, pelos prprios erros, diminuiu de tamanho em seu partido, o PSB, e, por mais que no queira admitir,est fora do preo

Ciro, pelos próprios erros, é carta fora do baralho
Ciro, pelos próprios erros, é carta fora do baralho (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Depois de meses de silêncio, Ciro Gomes reapareceu no noticiário nesta sexta-feira -- em entrevistas ao Uol e ao Valor econômico -- para dizer que ainda tem pretensões de disputar a Presidência da República. Seria a terceira vez do hoje socialista, que deve ficar apenas na vontade, já que, ano após ano, aquele que já figurou entre os favoritos para assumir o Palácio do Planalto, desperdiçou todas as oportunidades que surgiram à sua frente.

Ciro jogou fora a grande chance que teve, em 2002, derrubado pelas próprias grosserias. O ex-ministro e ex-governador era visto como uma alternativa desenvolvimentista, menos radical e não aventureira ao então candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Então candidato pelo PPS, Ciro chegou á reta final com reais chances de disputar um segundo turno, mas se enrolou pela língua.

Provocado, o candidato disse, entre ouras coisas, que a única função de sua mulher, a atriz Patrícia Pilar, em sua campanha era dormir com ele. Depois do fracasso, Ciro trocou várias vezes de partido, aderiu ao lulismo para depois condená-lo e, num movimento equivocado, foi convencido por Lula a transferir seu domicílio eleitoral para São Paulo – sem poder utilizá-lo em candidatura ao governo do estado.

Os erros transformaram o ex-ministro em um personagem menor dentro de seu partido, o PSB, presidido hoje por um franco candidato à Presidência, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Em sua entrevista ao jornal Valor Econômico, publicada nesta sexta, Ciro disse que, apesar de tudo isso, mantém o projeto pessoal de disputar a Presidência, mas que “não vai mais brigar”.

O ex-ministro elogia Campos, mas põe em questão a falta de sentido de sua candidatura no momento. “Para uma candidatura ter sentido é preciso ter estrada, projeto, argumento”, disse o ex-ministro, que evitou dizer que trocaria de partido para disputar as eleições e defendeu prévias no caso de o PSB decidir por uma candidatura própria à Presidência. Segundo ele, o partido ainda não discutiu a possibilidade de Campos disputar a presidência.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email