CNMP desarquiva reclamação contra Deltan e rejeita recurso contra processo

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) rejeitou, nesta terça, um recurso de Deltan Dallagnol que solicitava o arquivamento de um processo administrativo disciplinar aberto contra ele

O procurador Deltan Dallagnol
O procurador Deltan Dallagnol (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) rejeitou, nesta terça-feira (13/8), um recurso do procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato no Paraná, que solicitava o arquivamento de um processo administrativo disciplinar aberto contra ele. O procedimento foi aberto a pedido do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. A informação é do portal Correio Braziliense. 

A ação de Toffoli ao CNMP ocorreu em abril, após Dallagnol dar entrevista para a Rádio CBN. Na ocasião, o procurador afirmou que alguns ministros do STF "mandam uma mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção". Outras duas ações contra Deltan foram retiradas de pauta e não devem ser apreciadas nesta terça-feira. Uma delas foi feita pelo senador Renan Calheiros, contra o tweet do procurador antes da eleição do Senado.

Ainda durante a sessão do CNMP desta segunda-feira, os conselheiros Leonardo Accioly da Silva e Erick Venâncio Lima do Nascimento, que representam a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no colegiado, pediram para que seja revisada uma decisão do corregedor Orlando Rochadel Moreira que arquivou uma representação contra Deltan.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247