CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Poder

Colombo: 'impedir governo de governar é golpe'

Mais um governador, desta vez o de Santa Catarina, critica o tipo de oposição feita pelo PSDB e destaca que impedir um governo de governar "é golpe"; Raimundo Colombo (PSD) diz não ver "razões" para um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff: "Foi eleita pela sociedade brasileira. Está há seis meses no governo. Claro que estão havendo correções importantes, às vezes impopulares, que ocorreriam também se o Aécio tivesse ganhado a eleição. A proposta econômica teria de ser mais ou menos essa. Não torço para o touro derrubar o toureiro. Eu torço para que o Brasil vá bem"; ele também acusou o Congresso de agir com "irresponsabilidade" ao votar a flexibilização do fator previdenciário e estender a política de reajuste real do salário mínimo para as aposentadorias

Imagem Thumbnail
Mais um governador, desta vez o de Santa Catarina, critica o tipo de oposição feita pelo PSDB e destaca que impedir um governo de governar "é golpe"; Raimundo Colombo (PSD) diz não ver "razões" para um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff: "Foi eleita pela sociedade brasileira. Está há seis meses no governo. Claro que estão havendo correções importantes, às vezes impopulares, que ocorreriam também se o Aécio tivesse ganhado a eleição. A proposta econômica teria de ser mais ou menos essa. Não torço para o touro derrubar o toureiro. Eu torço para que o Brasil vá bem"; ele também acusou o Congresso de agir com "irresponsabilidade" ao votar a flexibilização do fator previdenciário e estender a política de reajuste real do salário mínimo para as aposentadorias (Foto: Gisele Federicce)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, do PSD, saiu em defesa da presidente Dilma Rousseff contra as tentativas de golpe da oposição e rechaçou as ações do Congresso Nacional que fragilizaram a situação fiscal do Brasil.

Ele disse não ver "razões" para um eventual impeachment de Dilma. "Foi eleita pela sociedade brasileira. Está há seis meses no governo. Claro que estão havendo correções importantes, às vezes impopulares, que ocorreriam também se o Aécio tivesse ganhado a eleição. A proposta econômica teria de ser mais ou menos essa. Não torço para o touro derrubar o toureiro. Eu torço para que o Brasil vá bem", afirmou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A respeito das chamadas pedaladas fiscais, que devem ser consideradas ilegais pelo Tribunal de Contas da União, Colombo admitiu não conhecer "bem o processo". "Deve ser avaliada tecnicamente a questão das pedaladas, mas já houve no passado. Acho que não se deve colocar mais gasolina neste momento do Brasil e com as consequências que isso pode ter", ressalvou.

“O que o povo está cansado, sinceramente, é que antes o PSDB era o governo e o PT estava na rua tentando destruir. Agora, se inverte”, disse, lembrando que ele e os petistas são adversários “ferrenhos” em Santa Catarina.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Colombo também fez críticas à administração Dilma. “O próprio governo reconhece que houve desonerações excessivas e algumas desnecessárias.” No entanto, afirmou que apoiou a reeleição da presidente por “gratidão”.

“Sou sincero. A presidente Dilma, em Santa Catarina, está fazendo uma boa parceria conosco. Ela nos ajudou. Não tenho nenhuma relação com o PT. Ela não tinha nenhuma obrigação com a gente. Mas demonstrou espírito republicano e construímos uma boa parceria. Agora, o mais importante pra mim, na minha relação com ela, é o futuro do Brasil. E a gente tem de olhar o futuro com mais responsabilidade. Essa superficialidade me deixa com medo do futuro”, afirmou. 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Entrevistado pelo jornalista Kennedy Alencar (aqui), o governador afirma que o Congresso agiu com "irresponsabilidade" ao votar a flexibilização do fator previdenciário e estender a política de reajuste real do salário mínimo para a correção de todas as aposentadorias. Ele também criticou a aprovação do reajuste dos servidores do Poder Judiciário pelo Senado e a reforma política votada pela Câmara. "A reforma política foi uma tragédia. Um desastre. Um desrespeito à população brasileira", disse.

“É um desrespeito ao bom senso e ao esforço que todo mundo no Brasil está fazendo para ajustar as contas. Essas quatro medidas que o Congresso aprovou são uma irresponsabilidade com o momento pelo qual o Brasil passa. Então, atribuir a crise só ao governo é um conforto. O processo é bem mais amplo. Essas quatro medidas são horríveis.”

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O governador de Santa Catarina afirmou que “contraponto é fundamental para iluminar o caminho da gente”. Mas também disse: “Sinceramente, quero uma coisa melhor do que isso, que essa oposição tão dura”.

A respeito da Operação Lava Jato, ele afirmou "O Brasil precisa ser passado a limpo". "Evidentemente, tem de haver por parte do Poder Judiciário, que fica muito empoderado e muito aclamado pela sociedade, eles precisam, para o bem de continuarem trabalhando, se impor limites. Respeitar as leis. Não pode haver excesso. Mas esse processo tem de continuar. Esse tumor tem de sair da sociedade. Mas o poder Judiciário tem de ter também equilíbrio para não cometer excessos", complementou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO