Congresso aprecia vetos presidenciais na próxima terça

Plenário da Câmara se reuniá para votar 127 vetos: seis em projetos de lei sancionados parcial ou que foram integralmente vetados pela presidenta Dilma, desde o dia 9 de julho; entre os temas estão os polêmicos vetos à lei que regulamenta a medicina no País, o chamado Ato Médico, que provocou protestos de médicos e de outros profissionais da saúde, contra e favor à decisão

Plenário da Câmara se reuniá para votar 127 vetos: seis em projetos de lei sancionados parcial ou que foram integralmente vetados pela presidenta Dilma, desde o dia 9 de julho; entre os temas estão os polêmicos vetos à lei que regulamenta a medicina no País, o chamado Ato Médico, que provocou protestos de médicos e de outros profissionais da saúde, contra e favor à decisão
Plenário da Câmara se reuniá para votar 127 vetos: seis em projetos de lei sancionados parcial ou que foram integralmente vetados pela presidenta Dilma, desde o dia 9 de julho; entre os temas estão os polêmicos vetos à lei que regulamenta a medicina no País, o chamado Ato Médico, que provocou protestos de médicos e de outros profissionais da saúde, contra e favor à decisão (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Iolando Lourenço e Mariana Jungmann
Repórteres da Agência Brasil

Brasília – Depois de meses sem fazer qualquer sessão para a apreciação de vetos presidenciais, o Congresso Nacional reúne-se na próxima terça-feira (20), no plenário da Câmara, para votar 127 vetos. Trata-se de seis em projetos de lei sancionados parcial ou que foram integralmente vetados pela presidenta Dilma Rousseff, desde o dia 9 de julho.

Os vetos tratam da extensão do Programa Universidade para Todos (ProUni) às instituições municipais de ensino superior, da desoneração de produtos da cesta básica; da redução das alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins, da regulamentação do exercício da medicina, o chamado Ato Médico; da extinção da multa de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), em caso de demissão injustificada, e de mudanças no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Se na sessão do dia 20 não forem apreciados todos os vetos, a pauta continuará trancada até a conclusão da votação. Isso impediria a deliberação sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) até o final da votação dos vetos presidenciais. Com isso, o governo poderá ter que encaminhar ao Congresso Nacional a proposta orçamentária para 2014 sem a aprovação da LDO, que serve de base para a elaboração do Projeto de Lei do Orçamento Geral da União (OGU) para o ano que vem. A data limite para apresentação da proposta de OGU ao Congresso é 31 de agosto.

O trancamento da pauta por vetos presidenciais consta da Resolução nº 1 de 2013, aprovada pelo Parlamento no primeiro semestre deste ano, para pôr fim à questão da não apreciação dos vetos presidenciais pelo Congresso Nacional. A resolução estabelece que o prazo para decisão sobre os vetos será 30 dias após a sua chegada Senado, sob pena de a pauta da Casa ser trancada e impedir a votação de qualquer matéria.

A resolução estabelece que sua aplicação se dará para a apreciação dos vetos publicados a partir de 1º de julho de 2013. A medida estabelece também que a apreciação dos vetos ocorrerá em sessões do Congresso a serem convocadas para a terceira terça-feira de cada mês, impreterivelmente. Fixa, ainda, que se por qualquer motivo a sessão não ocorrer, será convocada nova sessão conjunta da Câmara e do Senado para a terça-feira seguinte.

Edição: Beto Coura

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email