Cunha: "Barbosa tem que dizer o que eu desviei"

Ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha desafia o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, a provar o crime de peculato do qual foi condenado na Ação Penal 470; "Não há um real de desvio e eu pago por um peculato", disse hoje em discurso na tribuna; ontem, o 247 publicou em primeira mão os argumentos apresentados pelo parlamentar na revista lançada hoje no Congresso que, segundo ele, explica "o que Barbosa disse e o que existe de fato nos autos"; de acordo com Cunha, o presidente do STF "trabalha com informações seletivas"; Barbosa apontou como desvio o que veículos de comunicação, como Globo, Abril e Folha, pagaram às agências de Marcos Valério a título de comissão

Ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha desafia o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, a provar o crime de peculato do qual foi condenado na Ação Penal 470; "Não há um real de desvio e eu pago por um peculato", disse hoje em discurso na tribuna; ontem, o 247 publicou em primeira mão os argumentos apresentados pelo parlamentar na revista lançada hoje no Congresso que, segundo ele, explica "o que Barbosa disse e o que existe de fato nos autos"; de acordo com Cunha, o presidente do STF "trabalha com informações seletivas"; Barbosa apontou como desvio o que veículos de comunicação, como Globo, Abril e Folha, pagaram às agências de Marcos Valério a título de comissão
Ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha desafia o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, a provar o crime de peculato do qual foi condenado na Ação Penal 470; "Não há um real de desvio e eu pago por um peculato", disse hoje em discurso na tribuna; ontem, o 247 publicou em primeira mão os argumentos apresentados pelo parlamentar na revista lançada hoje no Congresso que, segundo ele, explica "o que Barbosa disse e o que existe de fato nos autos"; de acordo com Cunha, o presidente do STF "trabalha com informações seletivas"; Barbosa apontou como desvio o que veículos de comunicação, como Globo, Abril e Folha, pagaram às agências de Marcos Valério a título de comissão (Foto: Ana Pupulin)

247 - O deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) desafiou o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, a apontar o que foi desviado por ele, conforme aponta sua condenação pelo crime de peculato na Ação Penal 470. "Não há um real de desvio e eu pago por um peculato. O ministro Joaquim Barbosa tem que dizer o que é que eu desviei. Ele não diz porque não sabe, porque não consegue, porque não existe", afirmou o deputado em discurso inflamado na tribuna da Câmara na tarde desta quarta-feira 11.

O ministro relator da AP 470 apontou como desvio o que veículos de comunicação, como Globo, Abril e Folha, pagaram às agências de Marcos Valério a título de comissão. Hoje Cunha justificou, sobre o episódio, não ter sido o responsável por decidir nem por assinar o contrato com uma nova agência de publicidade com a Câmara na época em que era presidente da casa. Conforme aponta a revista lançada hoje por ele, e divulgada ontem em primeira mão pelo 247, o contrato foi firmado pelo então deputado Aécio Neves (PSDB-MG).

Cunha também acusou Barbosa de trabalhar com informações seletivas. Segundo o parlamentar, o presidente do Supremo "dá as costas" às suas provas e trabalha apenas por sua condenação no STF. "É ou não é um ministro que trabalha com informações seletivas? Eu mesmo respondo: é", exclamou. A publicação que ele distribuiu aos deputados, intitulada "A verdade, nada mais que a verdade", explica "de forma didática", de acordo com o petista, "o que o ministro Joaquim Barbosa disse e o que existe de fato nos autos".

Recebendo o apoio dos colegas e principalmente do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que lhe concedeu "o tempo que fosse preciso" para sua explanação, o parlamentar alertou aos deputados que "esse processo ainda vai ter muita coisa para gente discutir". "Engana-se aquele que pensa que ele vai se encerrar em breve, com a prisão deste ou daquele, ou quando se passar o julgamento dos embargos infringentes", complementou.

Como o deputado ainda tem direito a recurso por formação de quadrilha no caso, tem liberdade garantida até 2014, quando o STF deverá julgar os chamados embargos infringentes. Mesmo assim, ele lembrou que sua prisão pode ser decretada a qualquer momento e que, quando isso ocorrer, cumprirá sua responsabilidade. "Semana que vem pode ser decretada a minha prisão, ou posso ir para regime fechado. Vou cumprir o tempo, não tem problema, vou cumprir porque é minha responsabilidade, mas não cumprirei calado".

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247