Desigualdade tem de ser prioridade, não o teto de gastos, diz Lula

"Precisamos discutir quem é que está preocupado com os milhões de brasileiros que estão dormindo na rua de forma vergonhosa", disse Lula

www.brasil247.com - Lula
Lula (Foto: Reprodução/Youtube)


Eduardo Simões, Reuters - Líder nas pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de outubro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta quarta-feira que a desigualdade social precisa ser a prioridade do governo, e não o teto de gastos ou o que chamou de "compromisso fiscalista" da atual gestão.

Em entrevista a sites independentes, o petista voltou a dizer que ainda não decidiu se disputará a Presidência, mas afirmou que não pode querer ser presidente para resolver os problemas do sistema financeiro e daqueles que ficaram mais ricos durante a pandemia de Covid-19.

"É preciso que a gente recupere a democracia para que a gente possa colocar a desigualdade na ordem do dia como prioridade de um governo e não colocar como prioridade o teto de gastos", disse Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Para a gente colocar uma discussão do compromisso com a evolução social da sociedade brasileira e deixar num segundo plano o compromisso fiscalista do governo, que tudo faz para garantir dinheiro para pagar o sistema financeiro e não faz nada para garantir o pagamento da dívida social que é histórica no nosso país."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula afirmou que é preciso colocar os ricos nos impostos para resolver os problemas do Brasil e disse que o sistema financeiro precisa aprender a discutir os problemas do país e não apenas seus interesses.

"Eu acho que o sistema financeiro vai ter que aprender, quando sentar para conversar com o presidente, não ficar discutindo apenas os seus interesses. Nós precisamos discutir quem é que está preocupado com os milhões de brasileiros que estão dormindo na rua de forma vergonhosa", afirmou ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O petista disse ainda na entrevista que é necessário começar a fazer perguntas "para aqueles que sempre fizeram perguntas para a gente".

"Toda vez que a gente vai num debate, as pessoas se inscrevem para fazer pergunta. 'E a dívida fiscal? E a dívida pública interrna? E a dívida pública externa? E a taxa de juro?' Ou seja, ninguém pergunta como está vivendo o povo brasileiro", afirmou.

"Eu não posso querer ser presidente da República para resolver o problema do sistema financeiro, para resolver o problema dos empresários, para resolver o problema daqueles que ficaram mais ricos na pandemia. Só tem uma razão de eu ser candidato a presidente da República: é para tentar provar que esse povo pode voltar a ser feliz."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email