“Devemos a Lula um julgamento justo”, reitera Gilmar Mendes

Em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, no Jornal da Band desta segunda-feira, 21, o ministro do STF Gilmar Mendes voltou a criticar o julgamento parcial do ex-presidente Lula. "Nós devemos um julgamento justo a Lula. A impressão é de que houve uma série de idiossincrasias nesse julgamento de Lula", disse o ministro

(Foto: STF | Felipe L. Gonçalves/Brasil247)

247 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) , voltou a criticar o julgamento parcial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva feito pelo ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça. 

Em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, exibida no Jornal da Band desta segunda-feira, 21, Gilmar Mendes falou sobre o julgamento que a Suprema Corte retoma nessa quarta-feira, 23, sobre a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, o que poderia afetar o caso do ex-presidente.

"Nós devemos um julgamento justo a Lula. A impressão é de que houve uma série de idiossincrasias nesse julgamento de Lula", disse o ministro ao falar sobre as revelações da ilegalidades da operação Lava Jato, feitas pelo The Intercept Brasil. 

Ao ser questionando sobre os possíveis impactos para a Operação Lava Jato, o ministro adotou um tom crítico. "É preciso normalizar o combate à corrupção como criminalidade em geral. Isso virou bandeira de muita gente, inclusive em contexto eleitora. "Tem que colocar em um contexto geral, combater como um tudo, assim como se combate a milícia - que é a corrupção da polícia, o narcotráfico, deve se combater a corrupção.”

Para ele, é necessário restabelecer as garantias previstas na Constituição. "[Na ocasião] discutimos se poderia haver prisão em segunda instância. Depois, virou um imperativo categórico, um ‘deve haver sempre a prisão em segunda instância’. Tornou-se algo preocupante", avaliou.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247