Dilma: Caso Teori deve ser rigorosamente investigado

Em Sevilha, na Espanha, Dilma Rousseff disse em coletiva de imprensa que, "dadas as suspeitas que existem no Brasil" de que a queda do avião que levava o ministro do STF Teori Zavascki "poderia ser um atentado, o caso deve ser rigorosamente investigado"; "Tem que investigar a morte e ver do que se trata", acrescentou; a respeito do ministro, descreveu: "Não era perfeito, porque era um ser humano, mas devemos reconhecer suas muitas qualidades"; Dilma afirmou ainda que "acredita e espera" que o ex-presidente Lula volte a ser candidato a presidente nas eleições de 2018; "Será importante para o Brasil que Lula seja candidato. O segundo golpe depois do meu impeachment é impedir que Lula seja candidato porque as pesquisas indicam seu nome em primeiro e que ganharia as eleições"

Em Sevilha, na Espanha, Dilma Rousseff disse em coletiva de imprensa que, "dadas as suspeitas que existem no Brasil" de que a queda do avião que levava o ministro do STF Teori Zavascki "poderia ser um atentado, o caso deve ser rigorosamente investigado"; "Tem que investigar a morte e ver do que se trata", acrescentou; a respeito do ministro, descreveu: "Não era perfeito, porque era um ser humano, mas devemos reconhecer suas muitas qualidades"; Dilma afirmou ainda que "acredita e espera" que o ex-presidente Lula volte a ser candidato a presidente nas eleições de 2018; "Será importante para o Brasil que Lula seja candidato. O segundo golpe depois do meu impeachment é impedir que Lula seja candidato porque as pesquisas indicam seu nome em primeiro e que ganharia as eleições"
Em Sevilha, na Espanha, Dilma Rousseff disse em coletiva de imprensa que, "dadas as suspeitas que existem no Brasil" de que a queda do avião que levava o ministro do STF Teori Zavascki "poderia ser um atentado, o caso deve ser rigorosamente investigado"; "Tem que investigar a morte e ver do que se trata", acrescentou; a respeito do ministro, descreveu: "Não era perfeito, porque era um ser humano, mas devemos reconhecer suas muitas qualidades"; Dilma afirmou ainda que "acredita e espera" que o ex-presidente Lula volte a ser candidato a presidente nas eleições de 2018; "Será importante para o Brasil que Lula seja candidato. O segundo golpe depois do meu impeachment é impedir que Lula seja candidato porque as pesquisas indicam seu nome em primeiro e que ganharia as eleições" (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente eleita e deposta pelo golpe em 2016, Dilma Rousseff, concedeu uma coletiva a jornalistas estrangeiros nesta terça-feira 24 em Sevilha, na Espanha, onde abrirá nesta quarta o seminário "Capitalismo Neoliberal, Democracia Sobrante", com a fala "O ataque à democracia no Brasil e na América Latina", na qual denunciará o golpe ocorrido no Brasil.

Na coletiva, Dilma defendeu que se investigue rigorosamente o acidente aéreo que vitimou o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, relator da Lava Jato na corte, e que estava prestes a homologar os acordos de delação premiada de executivos e ex-executivos da Odebrecht. Os depoimentos envolviam cerca de 150 políticos, inclusive o do presidente Michel Temer e ministros.

"Dadas as suspeitas que existem no Brasil que poderia ser um atentado, o caso deve ser cuidadosamente investigado", afirmou Dilma. "Tem que investigar a morte e ver do que se trata", acrescentou. A respeito do ministro, descreveu: "Não era perfeito, porque era um ser humano, mas devemos reconhecer suas muitas qualidades".

Dilma disse também que "acredita e espera" que o ex-presidente Lula volte a ser candidato a presidente nas eleições de 2018. "Será importante para o Brasil que Lula seja candidato. O segundo golpe depois do meu impeachment é impedir que Lula seja candidato porque as pesquisas indicam ele em primeiro e que ganharia as eleições", afirmou. "Creio que Lula volverá a ser presidente de Brasil", disse ainda.

Segundo ela, Lula vem sendo alvo de acusações "sem provas". A ex-presidente acusou Michel Temer de "golpista" e seu governo de "ilegítimo". "Temos perdido a batalha, mas não podemos perder a democracia", declarou.

Confira reportagens dos jornais El País e El Diário, da Espanha, sobre a entrevista de Dilma.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email