Dilma deve ir à TV para denunciar o golpe

Ministros defendem uma postura mais agressiva da presidente Dilma Rousseff contra as manobras do chefe da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB); dizem que não há outra alternativa a não ser dizer, publicamente, que "quem tenta tirá-la do cargo é um político acusado de cometer atos ilícitos" no esquema da Petrobras; com a pressão do movimento golpista da oposição, Dilma faria um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV, segundo a colunista Natuza Nery 

Brasília- DF 02-10-2015 Foto Lula Marques/Agência PT Presidenta, Dilma, durante declaração da reforma administrativa do governo federal.
Brasília- DF 02-10-2015 Foto Lula Marques/Agência PT Presidenta, Dilma, durante declaração da reforma administrativa do governo federal. (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Com as manobras de Eduardo Cunha na Câmara pelo impeachment, a presidente Dilma Rousseff pode denunciar na TV o movimento golpista da oposição. É o que afirma a colunista Natuza Nery. Leia:

Tudo... Ministros defendem que a presidente adote o discurso do "nunca roubei" e vá para cima do chefe da Câmara, Eduardo Cunha.

...ou nada Para o grupo, não há outra alternativa a não ser dizer, publicamente, que "quem tenta tirá-la do cargo é um político acusado de cometer atos ilícitos" no esquema da Petrobras.

No ar Nas conversas travadas nesta segunda no Palácio da Alvorada, auxiliares reconheceram as chances reais de o impeachment ser deflagrado. Caso isso ocorra, Dilma faria um pronunciamento em rede nacional de rádio e TV.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email